|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Fora da Caixa

Catalunha. Vitorino revela que há "muitas conversas em curso" na Europa para resolver a crise

26 out, 2017 - 09:14 • José Pedro Frazão

As eleições são reclamadas por Madrid e Barcelona por motivos diferentes, observa o antigo ministro do PS. Vitorino pede ainda a criação de um mecanismo permanente de Protecção Civil na União Europeia.

A+ / A-

Habitualmente bem informado sobre os meandros da política europeia, o antigo comissário António Vitorino revela que a Catalunha é um assunto que está motivar conversações em privado no plano europeu, no sentido de um desfecho para a crise institucional criada em Espanha. No último programa "Fora da Caixa", o ex-ministro socialista assegura que há movimentações no plano europeu ligadas à situação da Catalunha.

" Há muitas conversas em curso que também envolvem obviamente os sectores independentistas catalães. São informais, nunca ninguém as reconhecerá, mas há conversas. O que se passa é que mesmo no universo de forças independentistas que existem em vários países europeus, esta corrida para a frente dos catalães está isolada. A única voz que exprimiu simpatia - mas não quanto ao processo - foi da primeira-ministra da Escócia. Todos os outros sectores independentistas, repare, nenhum deles saiu a terreiro a defender o bem fundado de uma declaração unilateral de independência", observa o comentador que agora se despede da Renascença após uma parceria de debate semanal durante 3 anos e 8 meses com Pedro Santana Lopes.

Ainda na análise à crise catalã, Vitorino anota que ambas as partes defendem a realização de eleições mas por motivos completamente opostos.

" Um dos passos fundamentais da aplicação do artigo 155 é a convocação de eleições. Se essa convocatória for feita pelo Governo de Madrid, está a convocar eleições autonómicas, dentro do quadro espanhol. O que os independentistas pretendem é que haja uma eleição constituinte de um Parlamento a quem se reconhecem poderes de elaborar a Constituição que será o fundamento jurídico-político de um estado independente. É mais um dos paradoxos deste processo. Provavelmente ambos os lados estão a pensar que a saída é uma eleição. Simplesmente o contexto, a causa e o resultado da eleição são posições completamente extremadas", conclui o comentador socialista.

Mecanismo europeu de protecção civil deve ser permanente

Na última edição do "Fora da Caixa", Santana Lopes e António Vitorino avaliaram as queixas verbalizadas pelo Presidente da Comissão Europeia em relação ao atraso na mobilização de ajuda europeia de protecção civil a Portugal nos incêndios de 15 de Outubro. Vitorino diz que há um defeito de concepção do mecanismo europeu de protecção civil.

" Desde o Tratado de Lisboa que está previsto que deveria existir um mecanismo permanente de protecção civil. Só que de facto ele nunca foi criado. É um mecanismo com meios próprios, destacáveis perante uma situação de emergência. É esse salto em salto em frente, já previsto no Tratado de Lisboa, a que se referia o presidente da Comissão Europeia", argumenta o antigo ministro da Defesa.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.