|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Acórdão polémico. Presidente lembra que juízes devem cumprir Constituição

25 out, 2017 - 18:53 • Eunice Lourenço

Questionado sobre a polémica do acórdão do juiz do Tribunal da Relação do Porto, Marcelo escuda-se na Constituição.

A+ / A-

O Presidente da República não comenta, em concreto, o polémico acórdão sobre violência conjugal do Tribunal da Relação do Porto, mas lembra que os juízes devem cumprir a Constituição de 1976 e as leis dela decorrentes e não outras.

Marcelo Rebelo de Sousa dá assim a entender que os juízes do polémico acórdão não têm de fazer alusões a códigos penais anteriores à Constituição democrática.

No acórdão, em que o tribunal suspende a sentença de prisão efectiva do marido e do ex-amante de uma mulher, acusados de a ter agredido, é citada a Bíblia e o Código Penal de 1886.

Nos Açores, onde iniciou esta quarta feira uma visita, Marcelo foi questionado sobre o polêmico acórdão. Começou por dizer que não comenta casos concretos, mas acrescentou: "Limito-me a dizer aquilo que é uma questão de principio obvia: o Presidente da República jurou cumprir e fazer cumprir a Constituição da República portuguesa, como aliás deve acontecer com todos os titulares de órgãos do poder político, o que significa cumprir e fazer cumprir esta Constituição que entrou em vigor em 1976 e as leis que vigoram ao abrigo dessa Constituição.”

“É essa a tarefa do Presidente da República e é essa a tarefa de todos os titulares de poderes do Estado”, conclui.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Para refletir...
    25 out, 2017 Almada 20:22
    Temos um jornalismo que não percebe o essencial, que só vê o que quer ver e não trata todos por igual. Eu pergunto quantos são ignorados pela imprensa como se fossem coisas? O problema é a sentença ou o que foi dito? Eu lembro que o TR manteve a decisão do de 1ª instância e este não falou na Bíblia nem no Código Penal de 1886. O jornalismo que temos do espetáculo não é bom exemplo para ninguém.