|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Francisco Assis. Reacção do Governo "completamente desastrosa", demissão da ministra é "inevitável"

17 out, 2017 - 11:20

Na Carla Rocha - Manhã da Renascença, Assis diz que a ministra não consegue "transmitir tranquilidade e segurança". João Taborda da Gama deixa, também, críticas à gestão política do Governo neste caso.

A+ / A-

Veja também:


O eurodeputado do PS Francisco Assis considera que "a reacção política" aos incêndios dos últimos dias "foi completamente desastrosa" e antevê que, demorando "mais ou menos tempo", a ministra Constança Urbano de Sousa vai demitir-se. "Inevitavelmente", sublinha

Em declarações ao programa Carla Rocha - Manhã da Renascença, Assis disse que a ministra tem de "transmitir tranquilidade e segurança", algo que, neste momento, está "completamente abalado".

Também o comentador João Taborda da Gama deixou críticas à gestão feita pelo Governo neste caso. "Não podemos ter um ministro, secretários de Estado a dizer que temos de de nos tornar mais resilientes. O que nós sabemos é que as pessoas têm de fugir dos incêndios, não têm de se substituir ao Estado ou a quem tenha de apagar fogos", reitera Taborda da Gama.

Esta foi uma atitude "irresponsável" por parte do Governo que demonstra, para João Taborda da Gama, a "demonstração de perda de sentido e total caos" vivido pelos governantes.

Houve uma "falência do Estado e da Protecção Civil", de acordo com Taborda da Gama. Se em Pedrogão se podia culpar uma estrada ou um fenómeno meteorológico "estranho", neste caso não. "É um estado de total inoperância da Protecção Civil, não se pode dizer que foi um raio de cima para baixo ou de baixo para cima, o que aconteceu foi um conjunto de incêndios que mostrou o falhanço para Protecção Civil".

Relativamente ao relatório aos fogos de Pedrogão, Assis considera que é um documento "muito crítico, são críticas estruturais e à acção conjuntural". Para o eurodeputado "têm de ser extraídas conclusões, há reformas profundas a fazer, que exigem um consenso vasto no país". Para além das mudanças a longo prazo, Assis deixa o recado: "Há decisões de carácter político mais imediato que terão de ser tomadas".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • lv
    17 out, 2017 lx 21:01
    Este FDP, desde que o Leitão da Bairrada não lhe correu bem, ficou a roncar que nem um porco!
  • Luís Torres
    17 out, 2017 Viseu 15:44
    Ao Rui Manuel Corrêa: Fica-se a saber, tristemente, quais as prioridades e a importância q Vocelência atribui aos factos. Antes de mais, há q preservar e defender com unhas e dentes a deplorável imagem do partido e do governo, q já provaram ter sido uns inaptos, e mande-se calar e chamem-se nomes a quem se atreva a dizer a verdade. Borrife-se para as vítimas dos incêndios, a malta q aprenda a lidar com eles (como o PM, a ministra e o sec de estado já tiveram a desfaçatez de dizer) que o q importa é não tocar em nada e não ofender os meninos e as meninas do governo ou do PS. Os métodos de mandar calar quem se atrevia a discordar costumavam ser do PCP, mas, pelos vistos, a proximidade com o PS começa a dar os seus frutos e até já lhes ensinaram o procedimento: denegrir, insultar e pedir q se corra com quem se atreve a criticar. O PCP e o BE que, após o conhecimento das nove vítimas mortais nos fogos de Agosto de 2013, pediam a cabeça de todo o governo, ficam agora caladinhos após uma centena de vítimas e encontram justificação para deixar continuar à frente do MAI e nas chefias intermédias, uns incompetentes, uns boys incapazes q não souberam defender as populações há quatro meses e q voltaram a falhar em toda a linha agora. apesar dos avisos dos riscos q permaneciam. Mas infelizmente há gente enfeudada aos partidos cuja preocupação perante a tragédia é esconder a verdade e denegrir quem se atreve a mostrá-la. Assis apenas mostra q não tem antolhos.
  • rui manuel corrêa so
    17 out, 2017 Lisboa 14:50
    Com "amigos" destes o PS não precisa de inimigos! Numa altura em que a direita deixou de ter argumentos sustentáveis para criticar o Governo do PS, e quando tudo está a correr dentro da normalidade democrática, acho estranho que um eurodeputado que se diz de esquerda e do PS, e que está no Parlamento Europeu graças ao facto de o partido assim o entender (sabendo nós, contudo, que ele foi para a Europa em virtude do convite feito pelo ex-secretário geral), venha fazer coro com a direita mais reaccionária e retrógrada a pedir a demissão da ministra e a criticar o Governo da forma desastrosa como o fez em relação aos episódios recentes com os fogos florestais. Lamentável. Como defendia o “velho” Sócrates, o “amigo deve ser como o dinheiro, cujo valor já conhecemos antes de termos necessidade dele”.
  • Eborense
    17 out, 2017 Évora 13:58
    Uma ministra, que em Março diz que tem tudo preparado para enfrentar a época dos incêndios e depois ardem 350 mil hectares de floresta e pior ainda, terem morrido cerca de 100 pessoas, para alguns ignorantes, a ministra não deve ser demitida. Portanto, muitos xuxas, acham que a Sr. Ministra tem condições políticas para continuar a não fazer aquilo que devia.
  • António dos Santos
    17 out, 2017 Coimbra 13:51
    Porque não vão estes gajos ladrar para o deserto? Em vez de andarem a ladrar, comecem a falar como pessoas de bem e avancem com propostas construtivas, para ajudar a resolver os problemas.
  • TUGA
    17 out, 2017 lISBOA 13:51
    Este gajo mete nojo!! A SLN dona do BPN assaltada pelo gangue do PSD era dona do SIRESP quem assinou o contrato TOTALMENTE contra o estado português foi o monhé, tudo falhou, agora a mulher a que é o bode expiatório. Professor martelo em vez de andar aos beijos e abraços demita os palhaços do partido dele que se aproveitam da desgraça alheia para colher dividendos políticos. O país bateu no fundo com estes politiqueiros TODOS
  • Francisco
    17 out, 2017 Guarda 13:46
    O que e triste e ver cidadaos que, tenho a certeza, fosse outro o governo (de direita como gostam de afirmar) e estariam indignados. O mesmo se passa com os partidos de esquerda que, fosse outro o governo, e as ruas estariam cheias a pedir a demissao do colhote. triste e que tudo nao passa de politica com dois pesos e duas medidas sem qualquer respeito pelas vitimas. Ou melhor agora deve-se ter respeito pelas vitimas e nao e tempo de demissoes, ja antes... Parece que este governo tudo faz bem e ha dois anos viviamos em ditadura, nenhuma critica e admissivel a este governo. Mas onde estao as esquerdas radicais a manifestar-se? a pedir demissoes? como o fariam com outros governos? Onde? Enfim grande hipocrisia vai neste pais...
  • Nino
    17 out, 2017 Ilhavo 13:44
    Quem é este Assis? Por que recorrem a este sr. sempre que querem incomodar o0 PS. O Bildenberg é mais fino...
  • Eborense
    17 out, 2017 Évora 13:44
    O Assis desestabiliza o PS, mas o Sócrates, não! Assim se vê de que massa é feita a xuxalhada!
  • Ana Maria
    17 out, 2017 Porto 13:41
    Não concordo quando ouço e/ou leio que o político A, B ou C, deste ou de anteriores governos são os culpados por estas tragédias. Nesse campo só os incendiários deviam ser acusados e punidos severamente, não com "obrigação de se apresentar periodicamente num posto da polícia/GNR ou ficar com termo de identidade e residência. A nível político há as responsabilidades inerentes aos cargos, com certeza que sim, e devem sofrer as consequências do seu péssimo desempenho, ou seja, demitirem-se ou serem demitidos. Tal como Jorge Coelho fez na altura da tragédia de Entre-os-Rios e, convenhamos, ninguém pode dizer que a culpa da queda da ponte foi dele. Tal como a culpa das mortes causadas pelos incêndios não é da Ministra em funções ou do 1º Ministro, na minha opinião. Mas sim, concordo que não podem sair disto por entre os pingos da chuva. Demitam-se ou sejam demitidos, mas alguma coisa deve ser feita para que se acabe de uma vez por todas com a impunidade.