|
A+ / A-

​PSD critica “falência do Estado” quando as populações precisavam dele

16 out, 2017 - 14:25

Sociais-democratas dizem que é urgente aplicar conclusões da Comissão Técnica Independente sobre Pedrógão Grande.

A+ / A-
O "pior dia do ano" em incêndios visto pelas redes sociais
O "pior dia do ano" em incêndios visto pelas redes sociais

O PSD expressou as "mais profundas condolências aos familiares e amigos de todas as vítimas dos incêndios" deste fim de semana e, apesar da "excepcionalidade da conjuntura", lamentou a “falência do Estado” em momentos que as populações precisam.

"O Partido Social Democrata expressa, desde já, as suas mais profundas condolências aos familiares e amigos de todas as vítimas dos incêndios que deflagraram durante o fim de semana e continuam activos, em todo o país", é referido num comunicado do partido.

As centenas de incêndios que deflagraram no domingo, o pior dia de fogos do ano segundo as autoridades, provocaram pelo menos 31 mortos e dezenas de feridos, além de terem obrigado a evacuar localidades, a realojar as populações e a cortar o trânsito em dezenas de estradas.

"Pese embora a excepcionalidade da conjuntura, não ignoramos a falência do Estado em momentos em que as populações dele precisaram", lê-se na nota.

No mesmo comunicado, "o PSD apela a todos os agentes políticos responsáveis para que tomem em consideração, com a máxima urgência e atenção, as conclusões que a Comissão Técnica Independente produziu, através do parlamento".

Os sociais-democratas registam "com profundo pesar a perda de vidas humanas", que consideram ser uma repetição do que se assistiu este ano em Pedrógão Grande e em tantos outros pontos de Portugal.

O partido deixa ainda "uma palavra de gratidão e solidariedade a todos os bombeiros e operacionais no terreno, pelo seu trabalho, esforço e sacrifício no combate às chamas".

"Uma palavra também para as populações que, perante a ameaça às suas famílias e património, continuam a revelar uma coragem ímpar para ajudar a controlar o avanço dos incêndios", é ainda referido.

O PSD "não ignora o receio que partilha, como país, neste momento em que tantas situações estão ainda por controlar".

O primeiro-ministro, António Costa, anunciou que o Governo assinou um despacho de calamidade pública, abrangendo todos os distritos a norte do Tejo, para assegurar a mobilização de mais meios, principalmente a disponibilidade dos bombeiros no combate aos incêndios.

Portugal accionou o Mecanismo Europeu de Protecção Civil e o protocolo com Marrocos, relativos à utilização de meios aéreos.

Esta é a segunda situação mais grave de incêndios com mortos este ano depois de Pedrógão Grande e na região Centro, no Verão, um fogo que alastrou a outros municípios e que provocou 64 mortos e mais de 200 feridos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Manuel Barbosa
    16 out, 2017 Aveiro 20:09
    Nenhum político tem o direito de acusar outro que está no governo pelos erros cometidos durante décadas, não esquecer jogos rasteiros entre pessoal com responsabilidade na luta com os fogos, os quais não foram sanados nem combatidos pela justiça. Provavelmente o acumular de todos estes erros e omissões estão a dar este vergonhoso resultado. Todos os governos menosprezam o interor do país levando ao refúgio no litoral ou no estrangeiro com consequente abandono dos bens florestais que levaram da manta morta e maior fonte de ignição. Não deixa de ser estranho que se faça crítica ao governo e não aos incendiários e/ou seus mandantes.
  • Rui
    16 out, 2017 Lisboa 19:35
    Natural aproveitamento político demasiado indecente para mais que os mortos ainda nem foram enterrados e o país continua a arder.
  • Ao luis
    16 out, 2017 Lx 17:48
    Questões bem pertinentes!...
  • Finalmente
    16 out, 2017 Pt 17:46
    O Diabo apareceu! Passos tanto pediu que ele chegou, finalmente! Infelizmente, Desgraçou muita gente! Resta saber quais são as vestes que usa!...
  • Rodrigo
    16 out, 2017 Setubal 17:31
    Esperemos que a origem dos fogos não se venha a verificar de origem de fanatismo politico. Os meus sinceros pesamos aos familiares das vitimas.
  • Luis
    16 out, 2017 Lisboa 17:05
    Qual a razão porque o PSD bem como o CDS não se preocupam a exigir à PGR uma investigação seria e rápida relativamente aos fogos postos que são colocados às centenas em simultâneo e a altas horas da noite? Nunca houve tanto fogo posto. Nunca foram presos tantos suspeitos por fogo posto. Nunca o País foi posto a arder como este ano. Porque é que isto que é uma das razões principais dos fogos não incomoda minimamente o PSD e o CDS? As outras razões têm dezenas de anos e são da responsabilidade de todos os partidos. É estranho não é, esta atitude dos partidos da oposição referente aos incendiários? Até parece que lhes estão agradecidos já para não pensar noutras coisas. Que estamos perante terrorismo puro e duro já não há qualquer duvida. O alarme social está instalado nas populações do interior pois estas já estão a contar com as mesmas situações para o próximo ano. O diabo sempre veio e pelos vistos está a prestar um ótimo serviço a quem tanto o evocou.
  • João Semana
    16 out, 2017 Porto 15:17
    O que parece mais que evidente é que não temos políticos a altura nem autoridades para fazer cumprir as leis existentes. Os do Governo não tem culpa pelo que aparece de repente porque os problemas tem muitos anos. Mas os da oposição são ainda piores, pois sabendo disso tentam ganhar votos com a desgraça alheia. Eu sei bem o que lhes fazia....