A+ / A-

Morreu o bebé de um mês que estava desaparecido por causa dos incêndios

16 out, 2017 - 15:36

A notícia foi confirmada pela Protecção Civil, no "briefing" das 16h00. Número de vítimas aumentou.

A+ / A-

Veja também:


Foi encontrado o bebé que estava desaparecido no concelho de Tábua (distrito de Coimbra). A criança morreu na sequência dos incêndios que deflagraram no domingo na região Centro do país, confirmou esta segunda-feira à tarde a adjunta da Protecção Civil, Patrícia Gaspar.

Mais de 500 fogos (523) deflagraram num só dia - já considerado o pior do ano pelas autoridades - um número que a adjunta de operações da Protecção Civil considerou inaceitável no "briefing" que fez esta segunda-feira de manhã.

Segundo Patrícia Gaspar, os incêndios tiveram na origem "muita negligência".

Na comunicação aos jornalistas a tarde (16h00), a responsável avançou com novos números de vítimas, afirmando que o número de mortos confirmados se mantém nos 31 (incluindo o bebé), dado que falta confirmar uma morte em Côja.

Quanto aos feridos, são 56 os confirmados, 16 dos quais em estado grave, um deles um bombeiro. Trinta e nove pessoas foram assistidas no local.

Ainda a registar sete desaparecidos na contagem das vítimas.

Ainda segundo Patrícia Gaspar, o número de incêndios nesta segunda-feira baixou para 163 até às 16h00, estando em curso 50 a ser combatidos por mais de 3.700 operacionais.

Deste total, 30 são consideradas ocorrências mais importantes, sendo que apenas duas delas, no distrito do Porto, parecem estar a ceder aos meios.

No combate estão apenas envolvidos dois meios aéreos, apesar dos 18 disponíveis, mas que não têm condições para operar.

Os 18 distritos de Portugal Continental continuam em alerta vermelho da Protecção Civil, por causa do risco de incêndio. Por causa da actual situação, foram activados 20 planos municipais de emergência, sendo que Coimbra, Aveiro e Leiria são os distritos mais afectados, tendo também activado os respectivos planos distritais de emergência.

As centenas de incêndios de domingo obrigaram a evacuar localidades, realojar populações e a cortar o trânsito em dezenas de estradas.

O Governo assinou um despacho de calamidade pública que abrange todos os distritos a norte do Tejo, para assegurar a mobilização de mais meios, principalmente a disponibilidade dos bombeiros no combate aos incêndios.

Portugal accionou o Mecanismo Europeu de Protecção Civil e o protocolo com Marrocos, relativos à utilização de meios aéreos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • ana
    16 out, 2017 lisboa 18:12
    Onde estavam os pais da criança? Fugiram e deixaram-na sozinha ou morreram também?
  • Jorge
    16 out, 2017 17:56
    Como é que desaparece um bebé de 1 mês ?
  • Pedro
    16 out, 2017 16:58
    Os desaparecidos não são contados como mortos, certo?