|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Parlamento aprova remoção de amianto de empresas privadas

04 out, 2017 - 19:16

O amianto é potencialmente cancerígeno e tem sido retirado dos edifícios públicos.

A+ / A-

O Parlamento aprovou os projectos de lei de PSD, do partido ecologista "Os Verdes" e PAN (Pessoas-Animais-Natureza) para a remoção de amianto de empresas e instalações privadas.

A proposta do PEV, responsável pelo agendamento, foi aprovada com a abstenção do PSD e os votos favoráveis dos restantes grupos parlamentares, enquanto o projeto do PAN foi aprovado com a abstenção do PSD e do PS.

O PSD tinha apresentado uma recomendação ao Governo, que foi aprovada com a abstenção de PS, BE, PCP e PEV, bem como o PAN, que viu a sua recomendação ser aprovada por unanimidade.

O projecto de lei do PEV visa a "eliminação do risco de amianto em edifícios, instalações e equipamentos de empresas", defendeu que a Autoridade para Condições de Trabalho e as organizações representativas dos trabalhadores e das entidades patronais promovam ao levantamento dos edifícios empresariais que contêm amianto".

O projecto de lei do PAN estabelece "procedimentos e objectivos" para remover produtos que contêm fibras de amianto ainda presentes em edifícios, instalações e equipamentos privados, incluindo habitações.

O mesmo partido apresentou uma recomendação, que foi aprovada por unanimidade, para que o Governo actualize a lista de materiais que contêm aquela substancia em locais onde se prestam serviços públicos, para que possam removidos.

O projecto de resolução do PSD recomenda ao Governo que apresente um relatório da execução de uma resolução anterior do Parlamento e que "elabore um estudo visando a criação de incentivos" para a remoção de amianto de empresas privadas.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.