Tempo
|
A+ / A-

Novos incentivos ao arrendamento. Proprietários pessimistas, mediadores satisfeitos

04 out, 2017 - 13:03 • Henrique Cunha

A associação das empresas de mediação Imobiliária diz que "o Governo deu, finalmente, ouvidos ao mercado". Para os proprietários, o pacote legislativo "não vão ter efeito nenhum".

A+ / A-

O presidente da Associação Nacional de Proprietários, Frias Marques, não acredita que o conjunto de estímulos fiscais - a "Nova Geração de Políticas de Habitação"- que o Conselho de Ministros vai aprovar esta quarta-feira permita dinamizar verdadeira mente o mercado do arrendamento.

"Aquilo que deveria ter sido feito - e que propomos ao longo do tempo, sem que este Governo tenha tido a capacidade para implementar - é uma coisa que se chama 'subsídio de renda'. Este subsidio de renda existe em todos os países da Europa Ocidental", diz Frias Marques à Renascença.
"Se uma renda justa de uma determinada casa é de 500 euros e a pessoa só pode pagar 50, a diferença de 450 euros será paga pelo Estado através de subsídio", exemplifica o presidente da Associação Nacional de Proprietários, criticando ainda a "contradição" que decorre do facto de os proprietários "serem obrigados a fazerem de 'Misericórdia' e virem, por outro, anunciar arrendamentos acessíveis e habitação permanente com abaixamento de impostos".

O presidente da Associação Lisbonense de Proprietários mostra-se também crítico da "Nova Geração de Políticas de Habitação". Luís Meneses Leitão diz que se trata de "medidas muito insuficientes, que não vão ter efeito nenhum".

"Nós apresentamos, recentemente, ao Governo e aos grupos parlamentares um caderno reivindicativo que previa medidas muito mais ambiciosas, designadamente, a abolição do adicional ao IMI e a redução sucessiva do arrendamento, à medida que os contractos fossem sendo prorrogados", sublinha o presidente da Associação Lisbonense de Proprietários.

"Pedir aos proprietários que cortem 20 por cento das rendas e que continuem a pagar os impostos, porque, embora tenham isenções de IRS, continua o adicional ao IMI nos imóveis de rendimentos, parece-me que acaba por ser muito pouco”, remata Meneses Leitão.

"Finalmente, deu-se ouvidos aos agentes do mercado"

Diferente é a perspectiva da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP), cujo presidente, Luís Lima, diz que se trata de "boas notícias" e mostra-se satisfeito porque "o Governo deu, finalmente, ouvidos aos agentes do mercado".

“Como homem do mercado que sou, tenho a certeza que o 'pacote' vai ter impacto. As medidas vão ao encontro das reais necessidades dos jovens e das famílias portuguesas", defende Luís Lima.

Para o presidente da APEMIP, "esta diferenciação pela positiva para quem coloca os seus activos no mercado habitacional com rendas acessíveis e adequadas aos rendimentos das populações será, decerto, um enorme incentivo à dinamização do mercado de arrendamento em Portugal”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Filipe
    04 out, 2017 évora 18:43
    Incentivos a quem dá pocilgas a inquilinos , boa. Deviam era controlar o valor das rendas vs a qualidade da habitação oferecida . Esquecem que muitos pagam pouco mas vivem onde as vacas e as cabras não queriam viver . Para mais , muitos SENHORIOS já deram a volta à questão colocando tudo em Alojamento Local e os restantes 80 % nem fatura e recibo passam .
  • LOLITA
    04 out, 2017 Póvoa de Varzim 13:47
    O governo que faça obras nos seus prédios em lugar de os ter ao abandono, e que os arrende , nós proprietários não temos que ser a santa casa da misericórdia, a nós ninguém nos isentou de IMT, IPS, querem agora o quê, dar um presunto e ficar com o porco, tenham vergonha
  • DEMAGOGIA POPULISMO
    04 out, 2017 Lx 13:35
    É só fantasia para enganar o pagode...Mas é o que existe no reino..Algum proprietário vai arrendar por menos de 20 por cento a sua casa logo agora em que os arrendamentos valorizaram? Só na demagogia dos xuxas e na sua manipulação doentia tal se passa...