|
A+ / A-

Criminalidade violenta desceu e criminalidade geral aumentou no primeiro semestre

03 out, 2017 - 17:49

Os dados provisórios indicam que a criminalidade grave e violenta desceu 8,3%. A ministra da Administração Interna diz que Portugal é “o terceiro país mais seguro do mundo”.

A+ / A-

A criminalidade violenta e grave desceu no primeiro semestre deste ano em relação ao mesmo período de 2016, enquanto a criminalidade geral registou uma ligeira subida, revelou, esta terça-feira, a ministra da Administração Interna, na Assembleia da República.

“De acordo com os dados que disponho, a criminalidade violenta e grave continua a sua tendência de descida e a criminalidade geral tem registado um ligeiro aumento de cerca de dois por cento no primeiro semestre 2017 relativamente ao período homólogo”, disse Constança Urbano de Sousa, adiantando que são números provisórios.

A ministra da Administração Interna participou, no plenário da Assembleia da República, num debate sobre o Relatório Anual de Segurança Interna (RASI) de 2016.

Fonte do Ministério da Administração Interna avançou à agência Lusa que os dados provisórios indicam que a criminalidade grave e violenta desceu 8,3% no primeiro semestre do ano em relação ao mesmo período de 2016.

Constança Urbano de Sousa adiantou que estes dados confirmam que “Portugal continua a ser um país seguro” e “o terceiro mais seguro do mundo”.

Segundo o RASI, a criminalidade violenta e grave diminuiu 11,6% em 2016 face ao ano anterior e a criminalidade geral participada baixou 7,1%, sendo os crimes de furto e de roubo os que mais desceram.

Por sua vez, os crimes informáticos, de burla e tráfico de droga foram alguns dos que mais subiram no ano passado.

A ministra sublinhou também que desde 2008 se verifica “uma descida muito sustentável” da criminalidade, tendo a geral descido 21%, entre 2008 e 2016, e a violenta e grave menos 32%.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Filipe
    03 out, 2017 évora 23:04
    Esta senhora contou com os mortos encomendados dos fogos recentes ? Ou , acha que os donativos particulares são bandeira de campanha das autarquias ? Que sangue frio tem , o partido Nazi não fez melhor .
  • Bela
    03 out, 2017 Coimbra 22:36
    A ministra da Administração Interna, será que se refere realmente à criminalidade em Portugal? Não me parece! Dizer que “Portugal continua a ser um país seguro” e “o terceiro mais seguro do mundo”, só porque a comunicação social e outros dizem o mesmo, vê-se mesmo que esta senhora desconhece a realidade do país onde vive. Nas várias localidades do interior as pessoas continuam a ser assaltadas e agredidas, por estranhos que se fazem passar por agentes de instituições públicas. Não se queixam por vergonha ou receio de represálias.
  • Manuel Machdo
    03 out, 2017 Oeiras 18:04
    Esta senhora se fosse uma humorista...ninguem lhe achava graça nenhuma! Não tem qualquer atractivo de diálogo! As entrevistas são penosas, ..."indolentes com uma lábia provinciana que o poder arrebanhara e fora tosquiando a seu critério"Inconsequente e inútil !
  • Antonio Almeida
    03 out, 2017 V. N. de Gaia 18:03
    Sra.ministra não se esqueça das 65 vitimas de Pedrogão.