Tempo
|
A+ / A-

Catalunha apela a mediação para conflito político e institucional com Madrid

30 set, 2017 - 21:56

"Quem aceitar a responsabilidade por esta mediação sabe que pode contar com a vontade da parte catalã de participar e dialogar", diz o presidente do governo regional da Catalunha, Carles Puigdemont.

A+ / A-

Veja também:


O presidente do governo regional da Catalunha, Carles Puigdemont, defensor da independência da região na sequência do referendo de domingo, apela a uma mediação para o conflito político e institucional com o governo central de Madrid.

O Governo espanhol e o Tribunal Constitucional do país consideraram ilegal a realização da consulta popular nos termos propostos pelo governo catalão, uma vez que a Lei Fundamental espanhola apenas permite referendos abertos à participação de todos os espanhóis.

Puigdement, que insistiu em avançar com o referendo apesar das sucessivas decisões contra, da justiça, defende agora uma mediação para o conflito, mas sem indicar qualquer instituição.

"Nós devemos exprimir uma vontade clara de dispor de uma mediação seja qual for o cenário, quer ganhe o sim ou o não", declarou o presidente do Governo à agência francesa AFP.

Apesar de não referir especificamente qualquer instituição, o destinatário da mensagem parece ser a União Europeia (UE).

"Quem aceitar a responsabilidade por esta mediação sabe que pode contar com a vontade da parte catalã de participar e dialogar. E, a partir desse momento, seria lógico uma atitude ativa de acompanhamento e de interesse por parte da União Europeia", acrescentou.

"O que não vai acontecer [no domingo] é irmos todos para casa e renunciar aos nossos direitos. O governo tudo fez para que tudo se desenrole de forma normal", sublinhou Puigdement, apelando aos catalães para que evitem todas as formas de violência.

Na mesma entrevista, Puigdemont reiterou que continua disposto a renunciar a este escrutínio considerado ilegal pela justiça, caso o governo de Mariano Rajoy (PP, direita conservadora) aceite abrir negociações que permitam um referendo legal.

No entanto, no passado, o governo regional catalão deixou claro que só aceita um referendo com votantes catalães, algo que a Constituição espanhola proíbe expressamente. Ou seja, qualquer discussão teria de começar numa revisão constitucional, algo que requer uma maioria de dois terços no Parlamento.

"Se o Estado espanhol disser 'vamos pôr-nos de acordo quanto a um referendo', nós paramos já aqui. Evidentemente que esta é a via que todos os catalães apoiam", salientou Carles Puigdemont.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.