|
A+ / A-

Óbito/D. Manuel Martins. Câmara de Setúbal decretou dois de luto municipal

25 set, 2017 - 12:31

Autarca lembra que "o ‘bispo vermelho', como foi chamado, esteve sempre no lado certo da história".

A+ / A-
D. Manuel Martins, o bispo dos marginalizados
D. Manuel Martins, o bispo dos marginalizados

A Câmara de Setúbal decretou dois dias de luto municipal pelo falecimento de D. Manuel Martins, Bispo Emérito de Setúbal.

"O bispo de Setúbal D. Manuel Martins fica para sempre na memória de todos os setubalenses e de todos os portugueses como o homem justo que sempre soube de que lado deveria estar: do lado dos mais desfavorecidos, do lado daqueles por quem sempre lutou, por quem sempre levantou a voz e por quem sempre estava disposto a sacrificar-se", refere, em nota de imprensa, a presidente da Câmara de Setúbal.

Maria das Dores Meira salienta também que "o ‘bispo vermelho', como foi chamado, esteve sempre no lado certo da história" e que será recordado "pela sua lucidez, humanismo, sentido de justiça e sentido de humor".

A nota de imprensa da autarquia, de maioria comunista, recorda que D. Manuel Martins "foi o primeiro bispo nomeado para a então recém-criada Diocese de Setúbal, onde iniciou o seu ministério episcopal no dia 26 de Outubro de 1975".

A 23 de Abril de 1998, o Papa João Paulo II aceitou o pedido de resignação de D. Manuel Martins, que faleceu domingo, aos 90 anos de idade.

A Câmara de Setúbal, que cumpre hoje e terça-feira os dois dias de luto municipal, salienta ainda que D. Manuel Martins foi agraciado com a grã-cruz da Ordem de Cristo durante as comemorações do 10 de Junho de 2007, em Setúbal, e com o galardão dos Direitos Humanos da Assembleia da República, a 10 de Dezembro de 2008.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.