A+ / A-

Trump volta a ameaçar Coreia do Norte: ​"Todas as opções estão em cima da mesa"

29 ago, 2017 - 14:08

Coreia do Norte diz que lançamento de míssil, que sobrevoou o território do Japão, é acto de "autodefesa".
A+ / A-
Míssil da Coreia do Norte sobrevoa Japão
Míssil da Coreia do Norte sobrevoa Japão

Veja também:


O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou esta terça-feira que "todas as opções estão em cima da mesa" depois de a Coreia do Norte ter disparado um míssil balístico que sobrevoou o território do Japão.

Tais "acções ameaçadoras e desestabilizadoras" só aumentam o isolamento do regime de Pyongyang na região e em todo o mundo, afirma Trump num comunicado da Casa Branca.

O Presidente dos Estados Unidos afirma que as acções da Coreia do Norte mostram "desprezo pelos vizinhos" e que "todas as opções estão em cima da mesa" em relação à resposta norte-americana perante as manobras do regime liderado por Kim Jong-un.

A Coreia do Norte disparou esta terça-feira um míssil balístico que sobrevoou o Japão antes de cair no oceano Pacífico.

"Autodefesa", diz o Norte

Os norte-coreanos afirmam estar apenas a exercer o seu "direito à autodefesa” perante as "intenções hostis" mostradas pelos Estados Unidos, que participam em exercícios militares em conjunto com a Coreia do Sul – “achas para a fogueira", na visão de Pyongyang.

"O meu país tem todas as razões para responder com contramedidas firmes, exercendo o seu direito à autodefesa", disse esta terça-feira o embaixador da Coreia do Norte na ONU, Han Tae-Song.

Pyongyang "continuará a reforçar as suas capacidades de defesa com o poder nuclear enquanto os Estados Unidos mantiverem a sua ameaça nuclear e as manobras militares", continuou. "Os Estados Unidos devem ser responsabilizados pelas consequências catastróficas que daí decorrerão.”

ONU reúne-se de emergência

O Conselho de Segurança da ONU vai reunir-se de urgência a pedido de Washington e de Tóquio, tendo o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, chamado a atenção para uma "ameaça grave e sem precedentes".

No sábado, a Coreia do Norte disparou três mísseis de curto alcance no mar do Japão, quando milhares de soldados norte-americanos e da vizinha Coreia do Sul participavam em manobras, no âmbito de exercícios militares anuais, na Península Coreana.

Estes lançamentos ocorrem num contexto de tensão exacerbada entre Washington e Pyongyang.

No início de Agosto, em plena escalada de tensão com a Coreia do Norte, Trump ameaçou o regime norte-coreano com "fogo e fúria nunca vistos" e declarou que a opção militar estava pronta para ser accionada.

Na mesma altura, o líder norte-americano também assegurou que o arsenal nuclear dos Estados Unidos era "o mais poderoso e forte de sempre".

A Coreia do Sul lançou oito bombas, esta terça-feira de madrugada, horas depois de a Coreia do Norte ter lançado o míssil que sobrevoou o Japão. O exercício militar aconteceu no Norte do país, em Gangwon, uma região que faz fronteira com o vizinho do Norte.

Coreia do Sul testa oito bombas em resposta a Pyongyang
Coreia do Sul testa oito bombas em resposta a Pyongyang

[Notícia actualizada às 14h42 com a resposta da Coreia do Norte]


legislativas 2019 promosite
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • 29 ago, 2017 aldeia 20:22
    Vivem apenas para a guerra!......que tristeza,que povo e que país tão triste,quando descobrirem a felicidade e a alegria pode ser tarde.
  • CAMINHANTE
    29 ago, 2017 LISBOA 17:16
    Anda alguém danadinho para brincar aos Índios e Cowboys, só que não sabe bem onde começar... mas há uns "Índios" que se estão a pôr a jeito prá reinação...
  • Horacio
    29 ago, 2017 Lisboa 17:03
    As opções dele em cima da mesa são devo comer um hambúrguer e fazer ameaças vazias ou comer um hot dog e fazer ameaças vazias. Umm decisões decisões . À prova que os americanos sabiam que não existiam armas de destruição massiva no Iraque está à vista aqui. Quando acham que elas existem não invadem.
  • Paz sempre...
    29 ago, 2017 Lisboa 15:31
    Mário Dúvidas.. ... No final diga quem se fica a rir. NINGUÉM FICA AQUI PARA SE RIR. ENTENDE. Lembre-se que a paciência tem limites. A tática do lindinho tem sido a de dar a entender que tudo o que faz é para se defender. Que os agressores são os outros. Mas ele desconhece que o mundo vê bem o que se passa. É pelo que se vê. Coreia do Norte passa por cima de proibições. Faz testes quando é proibido. Faz ameaças. Depois os outros respondem e ele faz se de vítima. Ele mais parece que está com jogos de sega. Mas a vida é outra coisa. Ele está a brincar com pessoas. No meio está a China. Nem vai para um lado nem para o outro. Contudo chega um dia que terá que escolher um lado. Lamentável é o lindinho brincar. Passa a vida a provocar e depois tem a lata de dizer que os usa é que provocam. Ele deve estar ciente que o mundo não é cego.
  • TIR
    29 ago, 2017 Lisboa 15:24
    Apenas o facto de a Coreia do Norte ter Seoul e a população da Coreia do Sul refém, é o que impediu os Estados Unidos de agir até agora. Misseis da Coreia do Norte podem ser destruidos em voo e a hipotese de atingirem os alvos é muito remota. Mas os milhares de peças de artilharia apontados á Coreia do Sul são o unico perigo real, e podem causar milhares senão milhôes de vitimas civis.
  • DR XICO
    29 ago, 2017 LISBOA 15:15
    Também podemos verificar por aqui o tipo de escumalha que habita no planeta terra, para além da Coreia do Norte , também existem paises que os apoiam a China e Russia... Por cá tb temos um partido que venera este tipo de ideologia
  • Mario
    29 ago, 2017 Portugal 14:18
    Tenho duvidas que se atreva a fazer alguma coisa, fala muito mas sabe que se o fizesse a América nao ficaria livre de levar com uns misseis nucleares também...