Tempo
|
A+ / A-

Apenas 34 dos 230 deputados não faltaram no último ano

04 ago, 2017 - 09:18

Deputados deram 1.517 faltas, sendo o PSD o partido mais faltoso, seguido pelo PS. Maria Luís Albuquerque (PSD) ficou a uma falta de perder mandato.

A+ / A-

Dados do parlamento mostram que dos 230 deputados eleitos, apenas 34 (15%) estiveram em todas as 109 sessões plenárias da Assembleia da República, de Setembro de 2016 a Julho deste ano.

De acordo com uma contagem feita pela agência Lusa a partir do mapa de faltas dos deputados, disponível em www.parlamento.pt, 15 deputados do PSD nunca faltaram a qualquer sessão, enquanto nove do PS também estiveram sempre presentes.

Entre os partidos mais pequenos, sete eleitos do BE ocuparam sempre os seus lugares no hemiciclo, enquanto no PCP e PEV esse número foi mais reduzido – um deputado.

No CDS-PP também apenas um deputado nunca faltou.

Eduardo Ferro Rodrigues, presidente da Assembleia, conta nove faltas, todas elas justificadas por missões parlamentares.

No parlamento estão vários líderes partidários que são também deputados.

Pedro Passos Coelho, do PSD, por exemplo, deu quatro faltas justificadas por trabalho político.

Jerónimo de Sousa, secretário-geral do PCP, deu igualmente quatro faltas por trabalho político e uma por doença.

Catarina Martins, coordenadora do Bloco de Esquerda, deu duas faltas, uma para dar assistência à família e outra por trabalho político.

À direita, Assunção Cristas, do CDS-PP, teve oito faltas, todas elas justificadas com trabalho político.

Partidos mais faltosos

Os deputados deram 1.517 faltas, sendo o PSD o partido mais faltoso (com mais de 650) seguido pelo PS (com 590).

Em média, e por cada sessão parlamentar, às quartas-feiras, quintas-feiras e sextas-feiras, faltaram 14 deputados. Em 2016, essa média foi de 11 faltas, em 2015 de 17 e em 2014 foi de 16.

O PSD, o maior grupo parlamentar, com 89 deputados, é também o que mais faltas regista, 667, seguido do PS, com 86 representantes, e que tem 590.

O CDS-PP, com uma representação de 18 parlamentares, soma 151 faltas.

Entre os partidos à esquerda, o Bloco de Esquerda, com 19 deputados, tem 45 faltas, menos do que o PCP, com 15 parlamentares e 58 faltas. O Partido Ecologista “Os Verdes” (PEV) tem dois eleitos e também duas faltas (ambas de José Luís Ferreira, em missão parlamentar).

André Silva, único deputado do partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN), deu quatro faltas.

Ex-ministra ficou a uma falta de perder mandato

Nos últimos meses, nenhum dos 230 deputados atingiu as quatro faltas injustificadas, com que perderia o mandato, mas Maria Luís Albuquerque (PSD) atingiu as três faltas, segundo dados dos serviços da Assembleia da República.

Entre os deputados com duas faltas injustificadas contam-se Maria Antónia Almeida Santos (PS), Miguel Morgado (PSD), Filipe Anacoreta Correia, João Almeida e Teresa Caeiro (CDS-PP).

Com uma falta injustificada estão os deputados António Leitão Amaro (PSD), José Manuel Pureza (BE) e Cecília Meireles (CDS-PP).

Desde 1975, ano em que foi eleito o primeiro parlamento após a Revolução dos Cravos, a Assembleia Constituinte, nenhum deputado perdeu o mandato por faltas.

O n.º 2 do artigo 8.º do Estatuto do Deputado descreve os motivos justificados das faltas dos deputados: "Considera-se motivo justificado a doença, o casamento, a maternidade e a paternidade, o luto, a força maior, a missão ou o trabalho parlamentar e o trabalho político ou do partido a que o deputado pertence, bem como a participação em actividades parlamentares".

O n.º 4 do mesmo artigo estipula que, "em casos excepcionais, as dificuldades de transporte podem ser consideradas como justificação de faltas".

O motivo mais invocado, ao longo do ano, para justificar as ausências foram o trabalho político (170) e missão parlamentar (115).

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • couto machado
    04 ago, 2017 porto 20:13
    QUE A CLASSE POLÍTICA ESTÁ A BATER NO FUNDO, É UMA VERDADE. QUE A MADAMA QUE FICOU À TANGENTE PARA CONTINUAR NO AREÓPAGO DE SÃO BENTO, É VERDADE. O POVO, NA SUA INCAPACIDADE DE PENSAR NO ASSUNTO, CONTINUANDO A VOTAR, NÃO PODE QUEIXAR-SE DE NADA. TAMBÉM É VERDADE QUE ESTE REGIME FOI IMPOSTO PELOS MILITARES, IMPINGINDO A DEMOCRACIA (?) EM QUE PORTUGAL VIVE. ESPEREMOS MAIS ALGUM TEMPO, ATÉ QUE ALGUÉM ASSUMA QUE ISTO NÃO PODE CONTINUAR.
  • António dos Santos
    04 ago, 2017 Coimbra 13:52
    Aqui se vê o que é a chulice da classe política. Atravessámos e estamos ainda a atravessar uma crise financeira. No entanto, apesar da Constituição prever a redução para 180 deputados, esses parasitas não o fizeram, pois os tachos são mais importantes que o interesse nacional. É uma vergonha os deputados poderem acumular o lugar de deputados com actividades profissionais. Já não falando da incompetência generalizadas dos mesmos para o cargo, bem como, a Assembleia da República, ser o centro de interesses dúbios para o país. O orçamento da Assembleia da República é um roubo nacional em relação ao que produzem! Isto é um roubo ao erário público!!! Há que acabar com esta vergonha que não dignifica as instituições do estado.
  • Fernando
    04 ago, 2017 Lisboa 13:15
    Por aquilo que valem até deveriam faltar 95 %. Menos porcaria faziam.
  • Luis
    04 ago, 2017 Lisboa 13:13
    Aquilo é um autêntico bordel. Uns faltam porque têm mais que um tacho. Outros passam mais tempo a fazer viagens à "borliu" e à conta, que outra coisa. Duas dúzias deles limitam-se a fazer baixa política de forma a alimentar a guerra partidária ofendendo, insultando, dando murros nas bancadas e coices nas mesmas à mistura com muitas imbecilidades proferidas. A grande maioria passa pelas brasas, preenche o euro milhões, navega na net e invariavelmente diz "muito bem" cada vez que um camarada da bancada fala. Por vezes aquele bordel parece o antigo mercado da Ribeira. Alguns ainda assobiam quando falam. Aquilo, ainda o melhor que faz é garantir empregos e defender os interesses dos grandes lobbys. Bastava um terço deles mas capazes e não trauliteiros profissionais da política.
  • Fausto
    04 ago, 2017 Lisboa 12:59
    É o que faz a acumulação de funções...
  • apenas?
    04 ago, 2017 lx 12:52
    15% de deputados faltosos e a maioria do PSD é apenas?...Que simpáticos são os media, mas só para quem eles querem!...
  • rosinda
    04 ago, 2017 palmela 12:02
    Reduzam o numero de deputados esta gente comem os olhos aos potugueses!
  • José Proença
    04 ago, 2017 Castelo Branco 11:59
    Serão os senhores deputados e deputadas afectados nos seus vencimentos? Ou beneficiam de "impunidade", ao contrário da maioria dos funcionários públicos?
  • joao
    04 ago, 2017 Lisboa 10:08
    Se faltassem todos não se ia notar nenhuma diferença! E será que chegam às 8:30 e apanham falta se se atrasarem 10 minutos?! Muitos portugueses porque razão têm de estar a sustentar tanto inutil e porque não reduzem o nº de inuteis!
  • joao
    04 ago, 2017 Lisboa 10:08
    Se faltassem todos não se ia notar nenhuma diferença! E será que chegam às 8:30 e apanham falta se se atrasarem 10 minutos?! Muitos portugueses porque razão têm de estar a sustentar tanto inutil e porque não reduzem o nº de inuteis!