|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Abuso sexual. Cardeal Pell comparece em tribunal australiano

26 jul, 2017 - 07:54

O n.º 3 do Vaticano, com 76 anos, rejeita todas as acusações e quer limpar o seu nome.

A+ / A-

O cardeal George Pell, chefe das Finanças do Vaticano, compareceu esta quarta-feira num tribunal em Melbourne para uma sessão preliminar ao julgamento em que vai responder por acusações por abuso sexual de menores.

Pell esteve seis minutos no tribunal e viu o juiz ordenar à polícia que entregue todas as provas aos seus advogados até ao dia 8 de Setembro. O tribunal convocou todas as partes para uma nova audiência a 6 de Outubro, altura em que o magistrado decidirá se existem provas suficientes para que o processo vá a julgamento.

O cardeal, vestido com um casaco preto e colarinho clerical, escoltado por polícias e pelos seus advogados, não fez declarações no tribunal, onde também se encontravam as vítimas que o acusam.

As autoridades ainda não revelaram o número de acusações contra Pell, de 76 anos, nem o período em que alegadamente ocorreram.

O cardeal australiano foi formalmente acusado a 29 de Junho pela polícia, e no dia seguinte, a partir de Roma, defendeu a sua inocência numa conferência de imprensa. Na altura garantiu ser "inocente" e classificou a investigação de “implacável assassinato de carácter”.

Pell, considerado o número três do Vaticano, regressou à Austrália no dia 10 de Julho.

Foi sacerdote na sua cidade natal de Ballarat (1976-1986), no estado australiano de Victoria, e arcebispo de Melbourne entre 1996 e 2001. Já em 2003, foi nomeado cardeal pelo Papa João Paulo II e há três anos foi escolhido pelo Papa Francisco para a secretaria de Economia da Santa Sé, um posto criado para sumo pontífice para enfrentar os escândalos em torno das finanças do Vaticano.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.