Tempo
|
A+ / A-

Judiciária põe fim a esquema de venda de droga na darkweb

05 jul, 2017 - 13:13

Encomendas eram pagas em bitcoin e enviadas do Norte de Portugal para várias partes do mundo. Duas pessoas foram detidas.

A+ / A-

A Polícia Judiciária anunciou esta quarta-feira a detenção de duas pessoas por tráfico de droga através da internet.

Segundo o comunicado enviado à Renascença o homem e a mulher detidos “utilizavam a Internet para efectuar a venda de diversos tipos de drogas, sendo que o principal mercado virtual que utilizavam se encontrava alojado na denominada darknet.”

“Apesar das dificuldades inerentes à investigação de casos que envolvem a darknet, foi possível detectar o modus operandi utilizado, bem como identificar os indivíduos que procediam à venda no mercado virtual em causa e encontrar o local de onde as vendas eram efectuadas.”

A “darknet”, ou “darkweb” é o nome dado a uma rede fechada e anónima na internet em que é praticamente impossível identificar os utilizadores. Nestas redes o IP do utilizador é redireccionado para um servidor fantasma, impossibilitando assim a localização correcta.

Nesta operação interrompida pela acção da PJ a comercialização era feita também em moeda virtual, as bitcoins, mediante a indicação de um endereço para a recepção da droga comprada.

“A droga era, depois, enviada pelos vendedores para os endereços indicados e situados nos mais diversos pontos do mundo, desde a Europa até à Oceânia, passando pelas Américas e pela Ásia, recorrendo aos serviços postais”, explica a polícia judiciária.

Segundo o comunicado, a operação teve lugar no Norte de Portugal e foram apreendidas uma variedade de substâncias ilícitas, muito material informático e dinheiro, bem como uma centena de encomendas já prontas a enviar, bem como a indicação dos respectivos destinatários.

“Os detidos, de 32 e 33 anos de idade, foram presentes à autoridade judiciária competente a fim de serem submetidos a primeiro interrogatório judicial de arguido detido, ficando a aguardar os ulteriores termos do processo sujeitos à medida de coacção de prisão preventiva”, conclui o comunicado.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.