RR
|
A+ / A-

“Não bastam boas intenções para combater a fome”, diz o Papa

03 jul, 2017 - 12:46 • Aura Miguel

Francisco vai visitar a FAO a dia 16 de Outubro, por ocasião do Dia Mundial da Alimentação.

A+ / A-

O Papa Francisco alerta para a “inércia” e o “egoísmo” da comunidade internacional perante a fome de milhões de pessoas, numa mensagem enviada à 40ª assembleia geral da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO).

Francisco escreve que “não bastam as boas intenções para combater a fome e assegurar o pão a milhões de pobres”, uma vez que também “é necessário reconhecer que todos têm direito a ele e dele devem usufruir”.

Lamenta ainda “a falta de uma cultura da solidariedade” e que as actividades internacionais fiquem “apenas ligadas ao pragmatismo das estatísticas” e “uma eficácia alheia à ideia de partilha”.

O Papa apela a um maior impulso no sector agrícola e, “quando um país não consegue dar respostas adequadas por subdesenvolvimento, pelas suas condições de pobreza, alterações climáticas ou situação de insegurança, é necessário que a FAO e outras instituições governamentais possam intervir com uma adequada acção social”.

Francisco recorda que “as guerras, o terrorismo, as deslocações forçadas de pessoas que cada vez mais impedem – ou, pelo menos, condicionam fortemente as actividades de cooperação – não são fruto de fatalidades, mas antes consequência de decisões concretas”.

A mensagem do Papa foi lida pelo cardeal Pietro Parolin, que anunciou uma visita de Francisco à sede da FAO no dia 16 de Outubro, por ocasião do Dia Mundial da Alimentação.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.