|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Hermínio Loureiro "livre que nem um passarinho" com caução de 60 mil euros

26 jun, 2017 - 21:58

Ministério Público tinha pedido a prisão preventiva para cinco dos sete detidos, no âmbito da operação "Ajuste Secreto".

A+ / A-

A juíza de instrução criminal do Tribunal da Feira fixou esta segunda-feira uma caução de 60 mil euros para o vice-presidente da Federação Portuguesa de Futebol, Hermínio Loureiro, um dos arguidos na operação "Ajuste Secreto".

Segundo a juíza Ana Cláudia Nogueira, Hermínio Loureiro está "fortemente indiciado" por dois crimes de corrupção, cinco prevaricação, um de tráfico de influência e outro de detenção de arma proibida.

O também antigo presidente da Liga de Clubes vai ter de pagar uma caução de 60 mil euros, no prazo de dez dias, e está ainda proibido de contactar com os outros seis arguidos no processo e de permanecer nas instalações da Câmara de Oliveira de Azeméis e de algumas empresas.

O advogado de Hermínio Loureiro, Tiago Rodrigues Bastos, manifestou-se satisfeito com as medidas de coacção, reconhecendo que "houve sensibilidade e respeito por aplicar medidas que fossem o menos gravosas e limitativas da liberdade das pessoas".

"Ele está livre que nem um passarinho, neste momento. As medidas de devolução à liberdade são imediatas", disse o advogado, adiantando que "começa hoje uma etapa em que o doutor Hermínio Loureiro vai fazer tudo para provar a sua inocência".

Quanto ao estado de espírito do seu cliente, Tiago Rodrigues Bastos disse que esta decisão "é um enorme alívio", por "acabar esta fase do processo e não ficar limitado na sua liberdade".

"Mais importante que tudo é o seu ânimo em demonstrar que não cometeu os crimes que lhe são imputados, o que se inicia hoje de uma forma mais tranquila, mais calma, mais ponderada", concluiu.

Caução para mais cinco arguidos

O antigo presidente do conselho de administração da Assembleia da República e ex-deputado do PSD João Moura de Sá, e o empresário António Gomes dos Reis vão ter de pagar uma caução de 50 mil euros, cada um.

Já para o empresário Filipe Marques e Manuel Amorim, da Direcção Regional Economia do Norte, foram fixadas cauções de 30 e 20 mil euros, respectivamente.

A juíza determinou ainda uma caução de 15 mil euros para o presidente da Câmara de Oliveira de Azeméis, Isidro Figueiredo, que não pode permanecer nas instalações de certas empresas, mas não ficou suspenso de funções.

O presidente da Concelhia do PSD de Oliveira de Azeméis, José Oliveira, foi o único arguido a sair em liberdade sem qualquer caução, mas ficou suspenso do exercício de funções na câmara, estando ainda proibido de permanecer nas instalações das autarquias e dos clubes desportivos existentes no município.

Todos estes arguidos estão indiciados por crimes de corrupção e prevaricação. O presidente da Câmara de Oliveira de Azeméis responde ainda por um crime de tráfico de influência.

O Ministério Público (MP) tinha pedido a prisão preventiva para cinco dos sete detidos, incluindo o vice-presidente da Federação Portuguesa de Futebol, Hermínio Loureiro.

No decurso da operação foram realizadas 31 buscas, designadamente a cinco câmaras municipais (Oliveira de Azeméis, Estarreja, Albergaria-a-Velha, Matosinhos e Gondomar) e cinco clubes de futebol, todos do concelho de Oliveira de Azeméis, com a participação de cerca de 90 elementos da PJ e cinco magistrados do Ministério Público.

[notícia actualizada às 02h53]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • otário cá da quinta
    27 jun, 2017 coimbra 12:36
    Claro que ficou livre, porque o dinheiro compra tudo, comprou a liberdade deste melro, assim como em tantos outros casos que por aí andam. Sessenta mil euros, são uns cêntimos para quem tanto roubou. A caução deveria ser igual pelo menos ao que ele roubou em conjunto com a restante quadrilha e nunca deveria deixar de ser preso, porque assim o crime compensa, dado que sessenta mil euros é uma gota no que foi roubado..
  • José
    27 jun, 2017 Porto 08:51
    Mais uma vez o dinheiro a pagar a liberdade..de quem está ligado ao poder..Coisa tipica nesta Quintarola da Europa..Vamos ver como isto vai acabar!!???
  • Rui
    27 jun, 2017 Lisboa 08:46
    Só vem reforçar a tese que Sócrates foi um preso político.
  • ze
    27 jun, 2017 norte 01:37
    Justiça Ridícula.
  • Zé. Silva
    26 jun, 2017 Ol az 23:30
    Será que o seu amigo Vítor leão também está impune ? É só máfia.
  • nick
    26 jun, 2017 lisboa 23:28
    dá nojo a "justiça" em Portugal, tal não é o tamanho da corrupção!
  • LDiogo
    26 jun, 2017 Aveiro 23:13
    Mas ficou livre porquê????? Já não chegavam as fake news ainda temos de aturar jornaleiros sensacionalistas.....ficou livre porque pagou a caução imposta, não ficou livre porque deixou de estar acusado.....
  • SALAZAR
    26 jun, 2017 LX 23:11
    A JUSTIÇA PORTUGUESA É UMA MARAVILHA...
  • SALAZAR
    26 jun, 2017 LX 23:10
    A JUSTIÇA PORTUGUESA É UMA MARAVILHA...
  • Sacudir o Caos
    26 jun, 2017 V. F. Xira 22:57
    livre como um "passarão".