Tempo
|
A+ / A-

Maioria dos lesados do BES aceita assumir perdas para recuperar investimento

26 mai, 2017 - 17:23

Dos quatro mil lesados, 90% já aceitou aderir ao mecanismo que os compensa pelas perdas sofridas pelo colapso BES, segundo disse à Renascença o advogado Ricardo Seabra.

A+ / A-

A esmagadora maioria dos lesados do Banco Espírito Santo (BES) aceita a compensação proposta pelo Governo, Banco de Portugal e CMVM que minimiza as perdas dos investidores. O prazo para a decisão é esta sexta-feira ao final do dia.

Dos quatro mil lesados, 90% já aceitou aderir ao mecanismo que os compensa pelas perdas sofridas pelo colapso BES, segundo disse à Renascença o advogado do grupo de lesados. Ricardo Seabra fala num “resultado estrondoso” que deverá facilitar o pagamento da primeira tranche, já em Julho.

“Temos 90% de respostas, e dessas 90% de respostas, temos 99,6% de aceitabilidade. É um resultado bom, um resultado estrondoso, agora o que queremos é que se materialize o mais rapidamente possível já que estão todas as condições reunidas”, afirmou.

Os lesados do BES têm até ao final do dia para dizerem se aceitam recuperar parte dos 434 milhões investidos no BES. Os que não aceitaram esta solução terão de continuar em tribunal. Neste grupo, admite Ricardo Seabra, estão os investidores com capital elevado.

A actual proposta permite recuperar 75% do valor investido, num máximo de 250 mil euros, se tiverem aplicações até 500 mil. Para quantias superiores, será a recuperação 50% do valor investido. Por exemplo, quem fez uma aplicação de 400 mil euros receberá 250 mil euros, o valor máximo possível para esse montante, ainda que seja abaixo dos 75%. Já para uma aplicação de 600 mil, serão pagos 300 mil euros.

Os clientes assumem perdas, mas recebem dinheiro pelo qual teriam provavelmente de esperar anos para recuperar em processos em tribunal e de forma incerta.

O pagamento será feito por parcelas, sendo que 30% do total será recebido logo após o cliente assinar o contrato de adesão, que agora se prevê que aconteça entre Junho e Julho, enquanto o restante valor será pago em mais duas parcelas, em 2018 e 2019.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Maria Catarina
    13 jul, 2017 Estoril 20:58
    Mas o Costa prometeu antes das eleições uma infinidade de coisas, onde estão elas? pois, pois com papas e bolos se enganam os tolos.