Tempo
|
A+ / A-

Almaraz. Ambientalistas pedem demissão do ministro depois de investigação da Renascença

16 mai, 2017 - 14:24

Coordenador do Movimento Ibérico Antinuclear diz que o ministro do Ambiente nem devia ir hoje ao Parlamento, depois de a Renascença avançar que o Exército previu em 2010 que 800 mil portugueses seriam afectados por acidente nuclear em Almaraz.

A+ / A-

Veja também:


O coordenador do Movimento Ibérico Antinuclear (MIA) pede, a título pessoal, a demissão do ministro do Ambiente, João Matos Fernandes, depois de a Renascença noticiar em primeira mão a existência de um estudo do Exército que prevê que 800 mil pessoas em Portugal sejam afectadas em caso de acidente nuclear em Almaraz.

“Face à perspectiva de termos uma cimeira ibérica em Vila Real, no fim do mês, e face a este relatório que a Renascença hoje [terça-feira] divulgou, penso que o ministro, com honradez e hombridade, só tem um caminho: já nem sequer comparecer hoje na audição parlamentar e apresentar irrevogavelmente a sua demissão ao primeiro-ministro”, afirma António Eloy.

O líder do MIA, que junta organizações ambientalistas de Portugal e de Espanha, elogia a investigação da Renascença, cujos resultados não deixam os ambientalistas “minimamente surpreendidos”.

“Esta notícia tem um pormenor que nunca mencionámos: atribui números, uma projecção de quantos portugueses seriam afectados, que não está longe do que pensávamos, mas é absolutamente estarrecedora”, afirma o ambientalista em declarações à Renascença.

Para António Eloy, a situação é “ainda mais estarrecedora” quando da parte do nosso Governo e, “sobretudo do ministro do Ambiente, tem havido uma total incapacidade para lidar com os problemas da segurança nuclear e da hipótese de prolongamento da vida da central de Almaraz”.

João Matos Fernandes é o alvo de todas as críticas do líder do MIA. “Fez várias birras, várias manobras dissuasoras, andou a brincar aos simulacros e, finalmente, deu um parecer favorável a um relatório da Agência Portuguesa do Ambiente [que viabiliza a construção do armazém temporário de resíduos nucleares em Almaraz] que tinha todas as condições para levar um parecer negativo”, afirma.

Em comunicado, o MIA regista “sem surpresa mas com muita preocupação” a notícia da Renascença na qual “o Exército Português vem pela primeira vez confirmar que um acidente nuclear na Central Nuclear de Almaraz afecta territórios da Republica Portuguesa, estimando contaminar cerca de 800 mil portugueses”.

Autarquias e Protecção Civil não conhecem estudo

Cerca de 800 mil pessoas em Portugal podem ser afectadas pela radioactividade caso ocorra um acidente grave na central nuclear de Almaraz, em Espanha, revela uma simulação feita pelo Exército em 2010 a que a Renascença teve acesso.

A simulação tem como base um cenário idêntico ao acidente de Chernobyl, em 1986 – o rebentamento de um reactor, seguido de incêndio.

O programa simula a evolução da nuvem radioactiva nas 40 horas que se seguem à explosão e a sua deslocação pelo território português, onde chegaria 12 horas após o acidente.

De acordo com a major Ana Silva, “dada a proximidade com a fronteira espanhola, os concelhos de Idanha-a-Nova, Castelo Branco e Penamacor, onde vivem cerca de 45 mil pessoas, registam o maior nível de afectação”.

No entanto, o presidente da Câmara de Idanha-a-Nova não tem conhecimento do estudo. “Não sei se o Exército o podia ter feito, na altura que o fez [2010], quer junto da Protecção Civil, a nível nacional, quer das estruturas a nível regional. Provavelmente não tinha a obrigatoriedade de o fazer, mas podia tê-lo feito. Seria mais um elemento que acrescentava ao conhecimento que já temos sobre as matérias.” Armindo Jacinto volta a apelar ao Governo para que pressione Espanha a fechar Almaraz.

Também a Protecção Civil desconhece a simulação do Exército, apesar de coordenar a intervenção em caso de acidente nuclear.

Falta “preparação” para uma “catástrofe”

Também à Renascença, Francisco Ferreira, da organização ambientalista Zero, considera que “estes estudos e simulações deveriam ser conhecidos para se poder trabalhar sobre eles”.

Francisco Ferreira lamenta que, de um modo geral, as autoridades considerem que a probabilidade de acontecer um acidente grave em Almaraz é de tal forma pequena que Portugal não dispõe do “nível de preparação suficiente” para a eventualidade de “lidar com uma catástrofe”. Daí, conclui este ambientalista, a importância destas simulações.

Tanto as organizações ambientalistas portuguesas como as espanholas têm intensificado a sua luta pelo encerramento da central nuclear de Almaraz. Nos próximos dias 29 e 30, vai realizar-se uma cimeira ibérica em Vila Real para debater o tema. Para o dia 10 de Junho, em Madrid, está convocada uma manifestação ibérica antinuclear exigindo a discussão de um calendário de encerramento, desmantelamento e descontaminação da central nuclear de Almaraz.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • João da Silva Mendes
    16 mai, 2017 Madorna 19:35
    Tanta algazarra pelas consequências mínimas de uma pequena erupção dermatológica que se cura com um cremezinho chinês.
  • José Fortes
    16 mai, 2017 Nazaré 18:58
    Este país é mesmo um país de bananas. Então o exército faz um estudo e a Proteção Civil não é informada?
  • e porque não?
    16 mai, 2017 pt 18:28
    pedirmos a demissão de certos ambientalistas das organizações que se pretendem que sejam credíveis?
  • pelas ultimas
    16 mai, 2017 lx 18:18
    informações prestadas por responsáveis no Parlamento, fica-se a saber que afinal não houve estudo nenhum sobre Almaraz, mas apenas uma conferencia sobre possíveis consequências, generalizadas a qualquer central nuclear em funcionamento e que possam vir a ter um eventual desastre grave! É pena que os media, antes de informar ou desinformar, influenciados por declarações de "ambientalistas", não investiguem efetivamente o que se passou, para não provocarem alarmar nas populações! Era o mínimo que se exigia!
  • será?
    16 mai, 2017 port 16:57
    que a RR desconhecia este estudo nas gavetas do governo de Passos Coelho?...
  • ao omo lava mais
    16 mai, 2017 lis 16:54
    branco. precisas é de ser confrontado com o Tide para ver se não te agitas tanto!...a tua caranguejola é que recuou tanto que até meteu o estudo na gaveta!
  • Eugénio Pinto
    16 mai, 2017 Peniche 16:35
    o "OMO LAVA MAIS BRANCO" anda com AZIA.... lol... passa na farmácia!... Foi o que eu fiz durante o consulado anterior!...
  • foi pena
    16 mai, 2017 lis 16:34
    Que estes "ambientalistas" (PSDs? CDSs?), não tivessem feito nada durante a vigência do seu governo? Durante 4 anos e meio não se preocuparam nada com Almaraz! É que Almaraz já existe há décadas e sabiam perfeitamente o que se estava a passar! Ou não sabiam?...Mais uma coisa que foi empurrada para debaixo do tapete para não se comprometerem!
  • Hélada
    16 mai, 2017 capital 16:30
    Duas perguntinhas muito simples: 1) O exército entregou o referido estudo a quem? A que ministro? 2) Quem era o ministro do Ambiente à época?
  • Pois é!
    16 mai, 2017 lx 16:27
    Como o PIB está a crescer mais do que os Pafosos pretendiam há que arranjar crispação noutras áreas para amedrontar as populações! Política da terra queimada e do quanto pior melhor!...Agarram-se a tudo desde que seja para desestabilizar!