Tempo
|
A+ / A-

Europol. Ciberataque foi de "um nível sem precedentes"

13 mai, 2017 - 11:34

Ataque informático à escala internacional atingiu principalmente empresas de telecomunicações e energia mas também a banca.

A+ / A-

O ciberataque lançado contra vários países e organizações foi de "um nível sem precedentes", classificou o gabinete de cibercriminalidade da Europol.

“O ataque recente vai exigir uma investigação internacional complexa para identificar os culpados”, indica um comunicado.

O Centro Europeu contra a Cibercriminalidade (EC3) “colabora com as unidades de cibercriminalidade dos países afectados e com os maiores parceiros industriais de forma a atenuar a ameaça e socorrer as vítimas”, acrescenta o mesmo texto.

O ataque informático de grandes dimensões à escala internacional atingiu principalmente empresas de telecomunicações e energia mas também a banca, segundo a multinacional de serviços tecnológicos Claranet.

Em Portugal, a empresa de energia EDP cortou os acessos à Internet da sua rede para prevenir eventuais ataques informáticos e garantiu que não foi registado qualquer problema, já a Portugal Telecom alertou os seus clientes para o vírus perigoso (‘malware’) a circular na Internet, pedindo aos utilizadores que tenham cautela na navegação na rede e na abertura de anexos no ‘email’.

A Polícia Judiciária está a acompanhar e a tentar perceber o alcance do ciberataque que tem como alvo empresas, segundo o director da Unidade Nacional de Combate ao Cibercrime da PJ.

No Reino Unido foram reportados importantes problemas informáticos em Hospitais do serviço nacional de saúde.

Em Espanha, a multinacional de telecomunicações Telefónica foi obrigada a desligar os computadores da sua sede em Madrid, depois de detectar um vírus informático que bloqueou alguns equipamentos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.