Tempo
|
A+ / A-

San Lorenzo

Futebol. O "instrumento da paz" para o Papa Francisco

12 mai, 2017 - 12:45 • José Pedro Pinto

Vice-presidente do San Lorenzo revela, a Bola Branca, a perspectiva que o adepto mais reconhecido do clube de Almagro tem em relação ao impacto do futebol e do próprio desporto na sociedade. Roberto Alvarez recorda as missas que o então Bispo de Buenos Aires dava na capela do San Lorenzo.

A+ / A-

Não é possível dissociar o Papa Francisco do futebol, do desporto ou do San Lorenzo. Sim, porque o Sumo Pontífice tem clube, assume-o e vive intensamente os sucessos e os insucessos do emblema do pequeno bairro de Almagro, em plena capital argentina, Buenos Aires.

No dia em que se inicia a visita do Papa a Portugal, mais especificamente a Fátima, Bola Branca pegou no telefone e discou o indicativo "0054", na tentativa de perceber a real perspectiva de Jorge Bergoglio quanto ao papel do desporto na sociedade. Do outro lado, atendeu Roberto Alvarez, vice-presidente do San Lorenzo.

"O desporto ocupa um lugar importante na agenda do papa Francisco, como ocupa a sociedade", começa por dizer o dirigente, também ele, tal como o Papa, com formação jesuíta.

E prossegue: "O futebol tem uma leitura social que não podemos deixar de reconhecer e, para o Papa, o futebol é também um instrumento de paz", declara, reforçando o ponto de vista.

"Na Argentina, como em Portugal, o futebol cumpre uma função social e familiar. Quando jogam Sporting ou Benfica, temos filhos, pais e famílias nos estádios. O futebol é preponderante para a sociedade. Sem qualquer tipo de dúvida, Sua Santidade encara o futebol como aquilo que representa o desporto para qualquer povo", prossegue.

As "missas" na capela do San Lorenzo, de mão sempre estendida para o povo

Sócio honorário do San Lorenzo e, no passado, um praticante de basquetebol no clube do coração, o Papa ainda não sonhava, por certo, chegar à liderança da Igreja Católica quando protagonizava missas que ficaram na memória de todos.

Jorge Bergoglio era ainda Bispo de Buenos Aires quando se predispunha a conduzir cerimónias na "pequena mas bonita" - nas palavras de Roberto Alvarez - capela do San Lorenzo.

"Há alguns jogadores importantes do San Lorenzo que tiveram missas com o Papa Francisco, como o Correa, que hoje joga no Atlético de Madrid. O Papa é uma pessoa que está sempre perto do povo e vemos isso. No Vaticano ou noutro ponto do mundo, estende sempre a mão às pessoas. O San Lorenzo tem uma capela aqui, na cidade desportiva, onde se fazem cerimónias religiosas com regularidade. Quando era bispo de Buenos Aires, o Papa dirigiu algumas delas", recorda o dirigente.

O repto para Portugal "valorizar" visita do Papa

O avião que transporta o Papa Francisco aterra em Portugal a meio da tarde desta sexta-feira. A partir daí, Roberto Alvarez prevê "festa nas ruas" para todo o povo. E exorta o país a capitalizar ao máximo a presença do Santo Padre.

"O Papa leva uma mensagem de paz, de amor, de integração, de respeito, de inclusão. Parece-me que será uma visita que o povo português vai valorizar, sejam as pessoas católicas ou não. Portugal vai assistir a uma verdadeira festa nas ruas. Claro, mais virado para a religião católica mas a visita transcende tudo isso. Para nós, argentinos, que temos um grande carinho do povo português, é muito importante que o Papa visite Portugal", conclui.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • papão
    12 mai, 2017 papalvos de baixo 16:23
    se ele esperar até amanhã à noite, ainda leva uma t-shirt do tetra!
  • rosinda
    12 mai, 2017 palmela 14:08
    se eu adivinha-se que chovia tinha comprado uma porçao grande de guarda chuvas e ia vender para a porta do santuario!

Destaques V+