Tempo
|
A+ / A-

Portuguesa cria bateria revolucionária

11 mai, 2017 - 08:49

Nova geração de baterias sólidas é capaz de armazenar muito mais energia, tem uma vida muito mais longa, é mais segura e polui menos.

A+ / A-

A investigadora Maria Helena Braga desenvolveu uma bateria sólida mais segura do que as “tradicionais”, evitando curto-circuitos e explosões, capaz de armazenar mais energia, “não poluente” e produzida com materiais ecológicos.

Esta inovação surge "da necessidade de se fazerem baterias seguras, sem electrólito (substância que se dissolve para originar uma solução que conduz electricidade) inflamável, que é, actualmente, utilizado nas baterias de ião lítio", disse à agência Lusa a investigadora do Departamento de Engenharia Física da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP).

Estas baterias agora desenvolvidas, para além dos eléctrodos sólidos, encontrados também nas baterias de ião de lítio, têm um electrólito em vidro, que impede a formação de dendritos (curto-circuitos internos).

De acordo com a investigadora, de 45 anos, nas baterias de ião de lítio, os dendritos "crescem como lanças", atravessando o separador que divide os dois eléctrodos sólidos e fazendo um curto-circuito que vai aquecer a bateria levando, eventualmente, à sua explosão.

Estas novas baterias, que funcionam à temperatura ambiente, têm uma maior capacidade para armazenar energia visto que o lítio, ao invés de ser inserido no eléctrodo positivo (cátodo), é depositado no eléctrodo negativo (ânodo), através do eléctrodo de vidro, fazendo com que assim a capacidade da bateria dependa apenas da capacidade deste último, explicou.

Tem ainda a vantagem de poder operar em temperaturas muito baixas, outro benefício relativamente às baterias de lítio actuais.

Trabalhar no EUA com equipamneto de ponta

Maria Helena Braga publicou pela primeira vez sobre a tecnologia de electrólitos de vidro em 2014, quando desenvolvia investigação na FEUP, tendo recebido, nessa altura, um contacto do investigador norte-americano da Universidade do Texas (Austin, Estados Unidos), Andy Murchison, que conhecia bem John Goodenough, o inventor das baterias de iões de lítio, com o qual foi "desafiada" a trabalhar.

"Durante um ano vim muitas vezes a UT-Austin e, em Fevereiro de 2016, pedi equiparação a bolseiro para fazer trabalho em baterias com lítio-metálico que não podia fazer na FEUP", referiu, acrescentando que, até Julho, o objectivo "é aproveitar" esta estada nos EUA e a "possibilidade de trabalhar de perto com tecnologia e equipamento de ponta".

Segundo a investigadora, as razões que a levaram a desenvolver este projecto em Austin deve-se ao facto de, na altura em que foi iniciado, não ter um laboratório na FEUP nem uma caixa de luvas com as quais pudesse trabalhar em atmosfera de gás inerte, com metais como o lítio e o sódio, que são "muito reactivos ao ar".

A investigação, iniciada em 2013, conta, actualmente, com a colaboração dos investigadores Joana Espain, do Departamento de Engenharia Física da FEUP, e com o Jorge Ferreira, do Laboratório Nacional de Energia e Geologia (LNEG).

Segundo um comunicado divulgado recentemente pela Universidade do Texas, apesar de os anúncios sobre novas tecnologias de baterias serem frequentes, esta investigação está a ser vista como muito sólida e a tecnologia anunciada tem fortes possibilidades de ser industrializada rapidamente.

A especialista, que vai continuar este projecto quando regressar a Portugal, é formada em Física do Estado Sólido e Ciências dos Materiais, doutorada em Engenharia Metalúrgica e Materiais, na Universidade do Porto, e professora auxiliar no Departamento de Engenharia Física da UPorto, desde 2002.

Entre 2008 e 2011 trabalhou no 'Los Alamos National Laboratory', nos Estados Unidos, tendo, até à data, nove patentes e mais de 40 artigos publicados em revistas internacionais.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • 11 mai, 2017 11:15
    Abençoada mente. Estas são as excepções que confirmam que as bolsas atribuídas de forma ligeira que não aguçam a criatividade antes "combatem" o desemprego e depois ao abrigo do combate à precariedade passam a efectivos e quem paga? Sempre os mesmo. Perdoem-me a divagação.