|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

​De Chaves a Fátima. “Sabemos que é difícil, mas vamos viver a peregrinação mais uma vez”

01 mai, 2017 - 19:42 • Olímpia Mairos

Ao longo de dez dias, a Renascença vai testemunhar o sentir dos que seguem a pé até Fátima.

A+ / A-

São 63 peregrinos. Homens e mulheres de várias idades, repetentes ou iniciantes. Partem de Chaves rumo à Cova da Iria na madrugada desta segunda-feira.

Vão fazer um percurso de mais de cerca de 350 quilómetros dividido em dez etapas.

Organizar uma peregrinação deste género “não é fácil”, diz à Renascença Fernando Moura, presidente da Associação de Peregrinos Flavienses.

“Termina a peregrinação de um ano e começamos logo a trabalhar na peregrinação seguinte, porque há muita coisa a tratar e a preparar para que nada falhe”, diz o também peregrino.

A Associação chama a si toda a organização desde as inscrições, marcação de dormidas, algumas refeições, apoio na estrada aos peregrinos e angariação de alguns patrocínios para tornar a peregrinação “mais acessível”.

E este ano, porque o grupo é maior que o habitual e é maior o número de peregrinos rumo a Fátima, “houve dificuldade em assegurar dormida para todos”.

“É o maior grupo, desde que eu vou e, se não me falha a memória, de Chaves nunca saiu um grupo tão grande”, diz Fernando Moura, realçando que “as pessoas guardaram-se para esta altura para estar com o Papa Francisco e para celebrar o Centenário”.

Com os peregrinos seguem dois carros de apoio e também um enfermeiro.

A poucas horas de sair para a estrada, Fernando Moura assegura que “o grupo está preparado física e psicologicamente”.

“Sabemos que é difícil, mas vamos viver a peregrinação mais uma vez”, conclui.

A Renascença segue viagem com este grupo de peregrinos e vai testemunhar o sentir dos que seguem a pé até Fátima.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.