Tempo
|
A+ / A-

Prémios Europa Nostra são "motivo especial de orgulho"

05 abr, 2017 - 11:26

Guilherme d'Oliveira Martins, dirigente do Centro Nacional de Cultura, lembra que a distinção também aumenta a responsabilidade de Portugal para o Ano Europeu do Património Cultural, que se assinalará em 2018.

A+ / A-

O dirigente do Centro Nacional de Cultura (CNC) Guilherme d'Oliveira Martins diz que a atribuição do Prémio Europa Nostra à reabilitação da Igreja e Torre dos Clérigos e ao mestrado em Análise Estrutural de Monumentos da Universidade do Minho constitui um "motivo especial de orgulho para nós, portugueses".

"Trata-se de um reconhecimento inequivocamente internacional por parte de uma instituição presidida por Plácido Domingo que estará em breve entre nós graças a iniciativa da Renascença", diz o actual administrador da Fundação Calouste Gulbenkian.

O Europa Nostra, um galardão da União Europeia para o Património Cultural, representado em Portugal pelo CNC, avaliou, este ano, 202 candidaturas de 39 países. O anúncio dos vencedores foi feito esta quarta feira pela Comissão Europeia.

Oliveira Martins sublinha que a importância deste prémio implica também maior responsabilidade e lembra que Portugal recebe, em 2018, o Ano Europeu do Património Cultural: "Estes prémios e o reconhecimento para Portugal destas iniciativas constituem um incentivo não só para nós, mas para toda a Europa. São, de facto, prémios europeus e não é fácil [vencê-los]. Não se julgue que temos lugares cativos nestes prémios. Portugal tem tido um bom reconhecimento das suas iniciativas graças ao nosso trabalho e ao nosso empenho. Daí, a necessidade de, em 2018, fazermos em Portugal uma grande iniciativa."

A cerimónia de entrega dos prémios vai decorrer na cidade finlandesa de Turku, a 14 de Maio.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.