|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Sobe para 14 o número de mortos do atentado em São Petersburgo

03 abr, 2017 - 13:11 • Rui Barros

A explosão, que terá sido provocada por um bombista suicida natural da Ásia Central, fez também dezenas de feridos. Outro explosivo de fabrico caseiro foi encontrado por detonar. Putin estava na cidade para um encontro com o Presidente da Bielorrússia.

A+ / A-
Pelo menos 10 mortos em São Petesburgo. Segundo explosivo desarmadilhado
Pelo menos 10 mortos em São Petesburgo. Segundo explosivo desarmadilhado

Pelo menos 14 pessoas morreram e dezenas ficaram feridas na sequência de uma explosão no metro de São Petersburgo, na Rússia. O balanço dos feridos foi actualizado: há 51, dos quais 49 continuam hospitalizados. A Procuradoria-geral da Rússia fala em acto terrorista.

O ataque, que ainda não foi reivindicado, terá sido levado a cabo por um bombista suicida, de 23 anos, natural da Ásia Central.

Das vítimas mortais, sete morreram no local, uma na ambulância e duas no hospital, revelou o ministro da Saúde russo.

Ao contrário daquilo que chegou a ser avançado por outras fontes, só uma bomba explodiu dentro do metro, mas a agência oficial russa Interfax avançou que um explosivo foi descoberto na estação Loshchad Vosstaniya por detonar. As forças de segurança russa anunciaram que desarmadilharam o explosivo.

Fonte citada pela Interfax diz que a explosão no metro não foi muito potente, devendo tratar-se apenas de 0,2 ou 0,3 quilos de explosivos. Calcula-se que as bombas estariam revestidas de material pensado para causar o máximo de estilhaços possível. Uma fonte disse à mesma agência que a bomba foi deixada numa pasta dentro da carruagem.

O incidente ocorreu às 14h40 locais (12h40 em Lisboa) numa composição que fazia a ligação entre a Praça Sennaya e o Instituto Tecnológico.

Todas as estações de metro foram fechadas, avança a Interfax, que dá conta de um reforço da segurança. A agência de transportes aéreos da Federação Russa ordenou que se tomassem medidas adicionais de prevenção nos aeroportos de forma a "prevenir possíveis actos ilegais, incluído actos relacionados com terrorismo", informa a mesma agência estatal.

As imagens publicadas nas redes sociais mostram a porta de uma carruagem destruída.

Vladimir Putin - que era esperado em São Petersburgo esta segunda-feira para um encontro com o Presidente bielorrusso Alexander Lukashenko - já comentou o incidente, deixando em aberto a possibilidade de se tratar de um acto terrorista.

Putin ordenou a abertura de uma investigação e expressou as suas condolências às vítimas. Mais tarde, deslocou-se à estação do metro para depositar flores em sinal de luto.

A Interfax avança que as câmaras de vigilância poderão ter captado as imagens do alegado responsável pela explosão.

Investigação a "ataque terrorista"

Em comunicado divulgado durante a tarde de segunda-feira, as autoridades russas informaram que foi aberto um processo criminal aos incidentes no metro de São Petersburgo e que o caso será tratado como "um acto terrorista".

Apesar de tudo, as autoridades russas não descartam outras hipóteses, informando que "continuarão a verificar todas as versões possíveis do que aconteceu".

Embora o atentado ainda não tenha sido reivindicado, o principal suspeito é o autodenominado Estado Islâmico, que já ameaçou várias vezes o Estado russo, sobretudo devido ao envolvimento deste país na guerra civil da Síria, onde tem atacado o grupo no terreno.

O Estado Islâmico conta com muitos recrutas de repúblicas de maioria islâmica que fazem parte da Federação Russa, incluindo da Tchechénia. Alguns dos piores ataques terroristas que a Rússia sofreu no seu próprio terreno, nas últimas décadas, foram levados a cabo por operacionais tchechenos, mais especificamente durante a guerra de independência daquela região, que terminou com vitória da Rússia.

Mais recentemente, o ramo do Estado Islâmico que opera na Península do Sinai, no Egipto, reivindicou um atentado que destruiu um avião russo, que transportava 224 pessoas.

[Notícia actualizada às 22h21]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • JMC
    03 abr, 2017 USA 23:42
    Gostei do comentário apresentado por Andreas, mas nenhum de nós deveria ficar à espera. "Generalíssimo" Putin, juntamente com o seu "chulo" Donald Trump, gosta de falar da boca para fora. Há-de haver alguma altura em que este mundo ocidental apagar este tipo de extremismo mulçulmano. Se são assim tão bons amigos o Putin e Trump, porque é que ainda não resolveram o problema na Síria, e assim por diante, trabalhando em conjunto?
  • 03 abr, 2017 18:00
    outra vez Putin vai matar proprio povo para evitar atencao de manifestaçoes contra corupçao,como ja aconteçeu nos sidades russos antes de guera chechena
  • otário cá da quinta
    03 abr, 2017 coimbra 17:21
    Alguém, ou arma consegue combater o terrorismo? Só há uma forma de combater alguma coisa o terrorismo, digo, alguma coisa: Em primeiro lugar temos de ter GOVERNOS COM GENTE SÉRIA, o que é difícil; Depois, se estes governantes forem realmente sérios e estejam interessados em combater a sério estes assassinos, é tentarem acabar com o fabrico de material de guerra, o que não é fácil, já que o dinheiro é uma tentação; depois controlar , dentro do possível, já que uma rede deixa passar sempre alguma coisa, o fornecimento deste material a estes assassinos; prender, mas bem presos os traficantes de armas e mais material de guerra que forem apanhados. Enfim e mais algumas coisas, o que não é possível porque os próprios governantes são os verdadeiros terroristas, porque "todos" comem deste negócio. Quanto ao que se está a passar na Rússia, creio ser tudo provocado pelos opositores internos e externos a PUTIN, mas mais pelos EXTERNOS que devem estar a financiar os internos.
  • mara
    03 abr, 2017 Portugal 17:01
    Infelizmente estamos a viver uma época horrenda, o terrorismo é uma monstruosidade pior do que a guerra porque na guerra encontram-se no campo de batalha os dois lados, os que fazem o mal e os que se defendem, no terrorismo, vão apenas a locais onde estão inocentes, pessoas que nada têm a ver com as politicas, são horrendos. Estamos em pleno século XXI um Mundo já tão evoluído devíamos pensar na Paz, no Amor e na Concordia e todos seriamos mais felizes sem ódios, guerras, matanças...Que Nossa Senhora nos dê a Paz!
  • Andreas
    03 abr, 2017 Braga 16:42
    Espero que o Putin respeite a famosa declaracao dele - VLADIMIR PUTIN: “I swear, if they (the Islamic State savages) ever bomb Russia, in half an hour every Muslim will die”
  • Carlos Gonçalves
    03 abr, 2017 Seixal 13:50
    Já sei que não vai ser publicado.....mas estamos perante uma grande notícia. Conseguem escrever a mesma coisa no título, no sub-título e em dois parágrafos!!