Tempo
|
Francisco Sarsfield Cabral
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

​Massacre de civis em Mossul

30 mar, 2017 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


As atrocidades do “Estado Islâmico” não desculpam erros trágicos da coligação.

Já se sabia que a tomada de Mossul pelas forças da coligação liderada pelos Estados Unidos faria muitas vítimas civis. Até porque os combatentes do “Estado Islâmico” (EI) usam civis como “escudos humanos”, além de outras práticas repugnantes. Como, por exemplo, colocar jovens e até crianças a treinar tiro alvejando e matando pessoas vivas.

Mas, neste caso pelo menos, não se pode desculpar as forças iraquianas e da coligação onde se integram dizendo que houve atrocidades dos dois lados. De facto, registaram-se horrores de um lado e do outro – mas não é aceitável que os inimigos do EI usem métodos que os colocam próximo do nível desumano dos terroristas.

Acontece que o governo do Iraque pediu aos residentes em Mossul para não saírem da cidade, mantendo-se em casa. E depois aviões da coligação bombardearam numerosas casas, matando milhares de pessoas que lá estavam.

A guerra é sempre terrível e, por vezes, acontecem situações trágicas. Mas deveriam ter sido tomadas precauções antes de a coligação lançar os ataques aéreos. Para a Amnistia Internacional, não foram tomadas essas precauções, violando o direito internacional humanitário.

Foi, assim, oferecida uma vitória aos terroristas do EI, ainda que estes percam militarmente no terreno.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • ALETO
    30 mar, 2017 Lisboa 20:01
    Subserviência aos E.U.A., à ditadura do mercado ou a Cavaco Silva? Este parece ser o enigma de Sarsfield Cabral.
  • João Galhardo
    30 mar, 2017 Lisboa 13:07
    É muito difícil para Sarsfield Cabral (ex-adjunto de Cavaco Silva), apontar os Estados Unidos da América como inimigos do planeta. De facto, existe um afecto muito grande entre Sarsfield e a armada americana. Esse afecto é tão grande que chega a ser subserviente.
  • Miguel Botelho
    30 mar, 2017 Lisboa 09:11
    No final, para que serve o seu texto se não aponta o principal culpado do massacre de Mossul? É o mesmo que dizer que a culpa dos bombardeamentos de Hiroxima e Nagasaqui foram dos japoneses, porque não saíram das cidades. «Não tomaram precauções»? A aviação americana nunca toma precauções nos bombardeamentos que faz no planeta, sejam eles no Iraque, Síria, Líbia, Afeganistão, Sudão, Iémen ou Paquistão.