A+ / A-

Paulo Morais pede ajuda para pagar gastos da campanha

26 jan, 2016 - 12:17 • Cristina Nascimento

O candidato ficou em sétimo lugar nas preferências dos eleitores, recolhendo quase 100 mil votos (2,15%).
A+ / A-

Paulo Morais, um dos 10 candidatos à Presidência da República, lançou um apelo na sua página do facebook para a recolha de donativos para conseguir pagar gastos decorrentes da campanha.

"Os gastos da minha campanha presidencial foram um pouco superiores a sessenta mil euros (inferiores aos orçamentados 93 mil); recebemos em donativos aproximadamente 17 mil. A subvenção estatal apenas financia campanhas de candidatos presidenciais com mais de 5% dos votos. Não tendo sido o caso desta candidatura, existe um défice de mais de 40 mil euros", explica o candidato na rede social.

Paulo Morais garante que até ao fim da semana divulgará no site as contas oficiais da campanha e disponibiliza o número de identificação bancária. "Conto mais uma vez com o vosso apoio. Podem continuar a contar comigo na defesa das nossas causas comuns, a razão de ser de todo este movimento", remata.

O candidato ficou em sétimo lugar nas preferências dos eleitores, recolhendo quase 100 mil votos (2,15%).

O professor universitário foi, entre 2002 e 2005, vice-presidente pelo PSD na Câmara do Porto, tendo nos últimos anos sido o combate contra a promiscuidade entre a política e os negócios e as denúncias sistemáticas de casos de corrupção - que diz ser o "maior dos males da vida política portuguesa" - que fizeram o candidato ser conhecido do grande público.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Miguel
    27 jan, 2016 Amadora 10:58
    Edgar Silva - O ex-padre católico e deputado regional madeirense Edgar Silva, apoiado pelo PCP e pelo PEV, tem um total de despesas previsto de 750 mil euros, cujas receitas são antecipadas através da subvenção estatal (377.750 euros) e das contribuições de comunistas, ecologistas e outros donativos (372.250 euros) Sampaio da Nóvoa - Sampaio da Nóvoa prevê gastar 742 mil euros, prognosticando angariar 968.000 euros, dos quais 798 mil euros provenientes da futura subvenção estatal. Maria de Belém (sra. das subbensões) -Tal como Nóvoa, também Maria de Belém Roseira, ex-presidente do PS, antecipa merecer cerca de 20% dos 4.192.200 euros (10 mil vezes o indexante dos apoios sociais) orçamentados pelo Estado português para distribuir pelos diversos candidatos às presidenciais, conforme os resultados que obtiverem, acima de 5% dos votos. Contudo, a antiga ministra da Saúde e deputada socialista calcula 650 mil euros de despesas, o grosso das quais em "comícios, espetáculos e caravanas" - menos 6.750 do que Sampaio da Nóvoa, cuja rubrica mais dispendiosa são os "custos administrativos e operacionais". Marcelo - O comentador político e antigo presidente social-democrata antecipa angariar 135.000 euros, 90.000 euros de subvenção estatal, e de donativos (45.000 euros), além de dádivas em espécie e empréstimo de bens. O item mais dispendioso do professor de direito é "propaganda, comunicação impressa e digital" (55.000 euros). O Tuga é imbecil! E Burro! E inculto! E corrupto!
  • J.Silva
    27 jan, 2016 Fig. da Foz 01:36
    O Prof. Paulo de Morais foi o candidato a PR que mais se bateu pelos verdadeiros interesses dos portugueses, denunciando as más políticas, o sistema e os interesses instalados das elites corruptas que têm empobrecido a sociedade e posto o País de joelhos perante os credores internacionais. Disse porque vinha, como vinha que não queria ficar acorrentado a partidos e que a sua mensagem ia desagradar aos lobbies do poder. Mas a ignorância é a mãe do atrevimento e da imbecilidade e a maioria dos comentários aqui expressos contra um Homem de carácter e corajoso, como ele o foi na campanha, só prova isso e o que Miguel Torga já disse há muito tempo: "Em Portugal, as pessoas são imbecis ou por vocação, ou por coacção ou por devoção."
  • rosinda
    26 jan, 2016 palmela 22:20
    os portugueses nao gostam que lhes peçam !Preferem ser roubados.
  • Carlos Sequeira
    26 jan, 2016 Sta. Mta. de Penaguião 19:17
    Paulo Morais traduz a vontade das gentes que tudo fariam para combater a corrupção. É frontal nas suas afirmações e não está manietado ao garrote dos partidos políticos .É pessoa com potencial para liderar um movimento que defenda quem trabalha e que pretende justiça social. Para ele foi o meu voto e terá o apoio de muitos patriotas que nele se revêm.
  • josé faria
    26 jan, 2016 estoril 18:49
    Não se consegue ler o nib será alguém que sabotou?
  • Ricarod Gomes
    26 jan, 2016 Lisboa 18:26
    Tanta gente indignada quanto a única coisa que têm a fazer é não contribuir. Gente mesquinha que se indigna com um candidato que veio da sociedade civil, independente, sem pressões de partidos ou empresas, que aceita donativos no máximo até 100 euros quando o máximo por lei são 25.000... esses que se indignam, são os mesmos que não se importam de serem chulados pelos partidos politicos ano após ano, que os sustentam sem se poderem recusar e que estão a pagar mesmo que não queiram as campanhas de Marcelo, Nóvoa e Marisa. Só contribui quem quer e quem pode. Paulo Morais fez o apelo na sua pagina de candidatura, aos seus apoiantes. Não veio para a comunicação social pedir a todos os portugueses. A comunicação social que tanta vez o silenciou, dá agora grande destaque a um apelo dirigido aos seus apoiantes. Tal como Paulo Morais disse na campanha... se não acreditam não sua mensagem, não votem nele, votem nos outros... agora passa-se o mesmo... se não acreditaram na sua mensagem... não contribuam, paguem apenas as candidaturas de Marcelo, Nóvoa e Marisa (quer queiram quer não). Gastem o dinheiro em tabaco, em vinho, em raspadinhas e em chamadas para os concursos das TVs. Ninguem tem nada com isso... nem se as pessoas doam dinheiro à candidatura de Paulo Morais ou não.
  • Pedro Machado
    26 jan, 2016 Lisboa 17:30
    Não compreendo o motivo de tanta indignação. Para começar a campanha foi até mais parcimoniosa do que o valor que estava orçamentado, coisa rara em Portugal. As iniciativas politicas da sociedade civil, que não dispõem de apoio financeiro estatal, necessitam de se financiar de alguma forma. Os donativos da população são uma forma de permitir que estes movimentos possam ver a luz do dia sem o apoio suspeito de grupos económicos que não dão ponto sem nó. Além do mais o candidato pediu auxílio na sua página de Facebook onde em principio os membros são os seus apoiantes, aqueles que acreditam no trabalho e mensagem de Paulo Morais. Eu contribuí no período de campanha e contribuí agora novamente com toda a convicção. Será que são os jotinhas disfarçados, os tais profissionais que envenenam as redes sociais, a atacar o homem que desvendou a corrupção que grassa em alguns partidos.
  • Vicente
    26 jan, 2016 Lisboa 17:20
    Eis o exemplo perfeito de quem provoca o caos em tudo -> Se não tinha como pagar então porque se candidatou?!?!
  • adamastor
    26 jan, 2016 Algarve 16:48
    quê? a comunicação social lá se lembrou de Paulo Morais? uau mas agora já é tarde, as presidenciais já acabaram, por isso não vejo outro motivo para isto ser noticia do que atingir o Paulo Morais, mas eu como não sou burro nem ignorante como a maioria dos comentarios, compreendo perfeitamente este pedido por parte de Paulo Morais, até porque a candidatura dele pagou IVA já as outras com os apoios dos partidos não pagam IVA. Mas o povo apesar de já saber ler e escrever continua a ser burrinho que não entendem nem querem entender sobre isto, só dependem da tv para saberem das coisas.
  • Nii
    26 jan, 2016 Lisboa 16:42
    Ainda falam mal do Tino, não vejo o Tino a pedir dinheiro a ninguém e este na mesma campanha que este senhor. Eu com o dinheiro dos outros também sou rico. Trabalhar é que não apetece muito.