Tempo
|
A+ / A-

Estado de fome declarado no Sudão do Sul

21 fev, 2017 - 01:42

Problema atinge diariamente cerca de 100 mil pessoas naquele país africano e há mais um milhão de habitantes que estão à beira da fome, alerta a ONU.

A+ / A-

O estado de fome foi declarado em várias zonas do Sudão do Sul, anunciaram esta segunda-feira as Nações Unidas.

Cerca de 100 mil pessoas já sentem diariamente o problema naquele país africano e há mais um milhão de habitantes que estão à beira da fome.

“A fome tornou-se numa trágica realidade em partes do Sudão do Sul e os nossos piores receios tornaram-se realidade”, afirma Serge Tissot, representante da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO, na sigla inglesa).

Muitas famílias, nomeadamente de agricultores que perderam o gado e as colheitas, “esgotaram todos os meios que tinham para sobreviver”, alerta o dirigente da FAO, em comunicado.

A falta de alimentos afecta partes do estado de Unity, na zona centro e norte do país.

A declaração do estado de fome pelas Nações Unidas significa que já há pessoas a morrer devido à escassez de comida.

A FAO, a UNICEF e o Programa Alimentar Mundial alertam para a necessidade de um actuação urgente para evitar mais mortes devido à fome, num país em que praticamente desde a fundação, em 2011, tem sido assolado por combates entre facções rivais.

O problema já foi reconhecido pelo Governo.

O presidente do Departamento de Estatísticas do país, Isaiah Chol Aruai, confirmou esta segunda-feira, em conferência de imprensa, que há fome ou risco de fome em alguns condados do estado de Unity.

Segundo o mesmo responsável, cerca de 4,9 milhões de pessoas correm o risco sério de ficarem em situação de “insegurança alimentar” até Abril, número que poderá aumentar para 5,5 milhões em Julho, ou seja, quase metade da população do Sudão do Sul.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+