Tempo
|
A+ / A-

Capturados em Espanha dois dos três reclusos que fugiram de Caxias

20 fev, 2017 - 10:08

Dois chilenos e um português fugiram na madrugada de domingo através da janela da cela que ocupavam.

A+ / A-

Dois chilenos, que fugiram do estabelecimento prisional de Caxias, Lisboa, foram detidos em Madrid, no domingo, com documentos de identificação falsos. A informação foi confirmada à agência Lusa por fonte da polícia nacional espanhola.

Os dois reclusos ficaram sob custódia do Tribunal Superior de Justiça.

À Renascença, o sub-director da Direcção-geral de Reinserção e Serviços Prisionais já tinha revelado que tinham "um indivíduo sob custódia e o outro muito perto de o ser, pois a sua área de intervenção já está delimitada".

Nestas declarações, Paulo Moimenta de Carvalho confirmou que o indivíduo capturado é um dos chilenos e que um segundo evadido, da mesma nacionalidade, também estará prestes a ser detido. O sub-director lembrou ainda que o resultado da operação advém da "cooperação e da pronta intervenção".

Três reclusos, dois chilenos e um português, fugiram na madrugada de domingo através da janela da cela que ocupavam.

Em comunicado, a Direcção-geral de Reinserção e Serviços Prisionais informou que os evadidos são dois cidadãos chilenos, com 29 e 30 anos, e um português com 30 anos e que "se encontravam presos a aguardar julgamento por crimes de furto e roubo".

A fuga mereceu a instauração de um processo de averiguações, a cargo do Serviço de Auditoria e Inspecção da Direcção Geral".

O Ministério da Justiça esclareceu em comunicado que as duas torres de vigia no estabelecimento prisional de Caxias próximas do local por onde se evadiram três reclusos "se encontravam activas" no momento da fuga.

Já a Associação Sindical de Chefias do Corpo da Guarda Prisional considera que a evasão é fruto da "dramática falta de guardas prisionais".

Segundo o site Direcção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais (DGRSP), o estabelecimento prisional de Caxias, situado no concelho de Oeiras, é classificado como de segurança alta e está vocacionado essencialmente para reclusos preventivos.

É composto por duas zonas prisionais, Reduto Norte e Reduto Sul (RS), que funcionam em edifícios independentes, distando entre si cerca de 300 metros funcionando, na prática, como dois estabelecimentos prisionais.

[notícia actualizada às 10h56]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • tugatento
    20 fev, 2017 Amarante 14:27
    Mais uma vez se prova que toda a escumalha, escoria , vem parar a Portugal. Aqui entra toda a merda.
  • Antonio Leonel Costa
    20 fev, 2017 Belas 14:02
    Esperamos que tudo seja esclarecido corretamente agora que os chilenos já estão presos e vão dizer como duas torres de vigia ativas no local por onde fugiram não os viram fugir. Se eles usaram tinta invisível nos seus corpos ou usaram Euros para os guardas olharem para o outro lado, que é o que me parece. Depois há que ouvir o homem do Sindicato explicar a falta de guardas que devem olhar para a frente e não para o lado, ao mesmo tempo que deve advogar a saída dos que olham para o lado, e que afinal estão a mais...
  • João Paulo Simões Ja
    20 fev, 2017 Amadora 14:00
    Era de bom tom devolverem aos larápios os 500.000,00 € que foram pagos para os deixar fugir já que já foram apanhados. Entretanto podiam prender os envolvidos que fecharam os olhos para que a fuga fosse possível.
  • Lusitano
    20 fev, 2017 Coimbra 13:48
    Nem uma simples notícia os incompetentes e corruptos jornalistas portugueses são capazes de dar. Os 2 chilenos foram interceptados pela polícia espanhola no aeroporto de Madrid, mas como as autoridades portuguesas não enviaram um mandato de captura internacional, a policia espanhola prendeu apenas 1 deles e apenas porque tinha passaporte falso. O jornalismo português continua uma vergonha!!
  • Filipe
    20 fev, 2017 èvora 13:27
    O povo ainda não percebeu o novelo e teia de corrupção que existe dentro da justiça Portuguesa , é certo que apanham um caso em mil , tal como no tráfico de droga , apanham um aparecem 1000 . Vejamos , forças de segurança Portuguesas catalogadas na Amnistia Internacional como agentes de tortura sobre civis em lugar de destaque no Mundo . Advogados de luxo que vão matar fora por heranças e internamente igualmente , outros roubam os pobres . Guardas Prisionais que metem droga nas cadeias . Polícias criminais que dão informações , dão armas e participam em seitas criminais com os maiores bandidos da Europa . Gnr´s corruptos que recebem uns trocos por todo o lado . Agentes e chefes da Polícia Judiciária que matam parentes , controlam os gang´s da droga e outros tráficos . Magistrados do Ministério Público que vendem informações a reclusos e outros que recebem toneladas de dólares em troca de informações . Magistrados judiciais que alteram processos a troco de uns euros e por fim o que disse um deputado na Sociedade Civil recentemente , " entram para a justiça pobres e ao fim de 10 anos estão milionários e não é dos ordenados que os fazem . " Posto isto , deve-se dizer que existe um interesse descarado na justiça Portuguesa em mostrar trabalho ao coitado do Português que trabalha de Sol a Sol quando manda prender um banqueiro e manda um ex - Primeiro Ministro para a Prisão , para não falar dos desgraçados com fome que roubam uma linguiça nos supermercados e vão presos logo .
  • bobo
    20 fev, 2017 lisboa e outra 13:05
    Eles querem é emprego e não trabalho . Encerrem as prisões e façam museus
  • Rui Machado
    20 fev, 2017 Ponte de lima 13:01
    Vergonha era o que deviam ter as chefias dos guardas, os guardas deveriam ser despedidos e julgamos! A falta de pessoal e condições não é desculpa. Os guardas se acham que não tem condições que se despeçam. Mas como o emprego e bom vão andando e quando acontece algo a culpa é dos outros.... Imaginem um cirurgião a operar um doente,sem ter descansado, sem ter anestesias e sem ter nada para cozer ou desinfectar. Operava, o paciente morria e a culpa era da enfermeira que não tinha ido buscar as coisas. Ganhem vergonha!
  • Professor Martelo
    20 fev, 2017 Amaraleja 12:49
    CORRUPÇÃO!!!
  • JOSE
    20 fev, 2017 C BRANCO 12:26
    Como é possivel estas coisas acontecerem nos dias de hoje sem haver alguem a ajudar la dentro? Depois as associações profissionais que so sabem dizer que não têm condições e ha falta de guardas, será que o melhor não seria ter um guarda para cada recluso. Se estão mal podem demitir-se.
  • João Viieira
    20 fev, 2017 Porto 11:41
    Portugal está a ficar como os países da américa do sul em que os guardas prisionais fazem negócios com os prisioneiros e é tal o descalabro que até os deixam fugir mesmo em frente às caras deles. O sindicato vem logo com argumentos de que o problema é falta de guardas... Pois, há sempre uma desculpa para justificar a negligência e a corrupção. O ideal para os guardas prisionais seria haver um guarda para cada preso...E depois o contribuinte que pagasse a fatura...