|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Maria, Isabel, Ana e Patrícia são as Mulheres da Ciência premiadas este ano

07 fev, 2017 - 08:21

Cada uma das cientistas vai receber uma bolsa de investigação no valor de 15 mil euros.

A+ / A-

As Medalhas de Honra das Mulheres da Ciência, que são entregues esta terça-feira, distinguiram quatro investigadoras, por estudos sobre regeneração óssea, resistência do parasita da malária a medicamentos, estruturas celulares e mobilidade nas cidades.

A distinção, que na prática é uma bolsa de investigação, foi atribuída a Maria Inês de Almeida (i3S - Instituto de Investigação e Inovação em Saúde), Isabel Veiga (Instituto de Investigação em Ciências da Vida e Saúde - Universidade do Minho), Ana Rita Marques (Instituto Gulbenkian de Ciência) e Patrícia Baptista (IN+ - Centro de Estudos em Inovação, Tecnologia e Políticas de Desenvolvimento).

Maria Inês de Almeida está a trabalhar sobre a regeneração dos ossos e Isabel Veiga sobre a resistência do parasita da malária a fármacos, enquanto Ana Rita Marques está a estudar a estabilidade dos centríolos (estruturas celulares mais finas do que um fio de cabelo) e Patrícia Baptista a desenvolver uma ferramenta de avaliação de rotas numa cidade, consoante o tipo de utilizador e modo de transporte.

Cada uma das cientistas vai receber 15 mil euros. As Medalhas de Honra das Mulheres da Ciência, que vão na 13.ª edição, são promovidas pela L'Oréal Portugal, Fundação para a Ciência e Tecnologia e Comissão Nacional da UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura).

Seleccionadas entre 80 candidatas

As quatro premiadas foram seleccionadas entre 80 candidatas, cujos projectos de investigação foram avaliados por um júri presidido pelo investigador e deputado Alexandre Quintanilha.

Em declarações à Lusa, a cientista Maria Inês de Almeida disse que vai testar uma nova terapia para a regeneração dos ossos, em alternativa às próteses, manipulando as moléculas de ácido ribonucleico (ARN) que não codificam proteínas.

Isabel Veiga, do Instituto de Investigação em Ciências da Vida e Saúde, da Universidade do Minho, quer "perceber os mecanismos que o parasita da malária desenvolve" para que o medicamento artemisinina, actualmente usado no tratamento da doença, nem sempre surta efeito. Para isso, a cientista vai modificar geneticamente o parasita para analisar, ao pormenor, as proteínas que existem nas células com capacidade para transportar os fármacos, as designadas 'proteínas transportadoras'.

Os centríolos, que estão na base do estudo de Ana Rita Marques, do Instituto Gulbenkian de Ciência, "são importantes para que as células se consigam dividir correctamente", e, por conseguinte, são essenciais para o estudo da regeneração de tecidos e do cancro, de acordo com a investigadora.

Para desenvolver uma ferramenta de avaliação do trajecto mais adequado numa cidade, a investigadora Patrícia Baptista propõe-se construir uma base de dados com as variáveis utilizador e modo de transporte, partindo do caso de estudo de Lisboa. A base de dados permitirá, por exemplo, comparar trajectos alternativos em função do tempo de viagem, do esforço físico da pessoa, da inalação de poluentes, do consumo de energia e da emissão de gases das viaturas ou do declive do terreno, explicou a cientista do IN+ - Centro de Estudos em Inovação, Tecnologia e Políticas de Desenvolvimento, no Instituto Superior Técnico, em Lisboa.

As Medalhas de Honra das Mulheres da Ciência destinam-se a doutoradas, com menos de 36 anos, que realizam investigação em Portugal nas áreas da saúde e do ambiente. Desde que foi lançada em 2004, a iniciativa apoiou 41 investigadoras.

A distinção é entregue hoje às quatro premiadas, numa cerimónia onde é esperada a presença do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Fausto
    07 fev, 2017 Lisboa 09:16
    Fascinante...parabéns e não se vão embora de Portugal para sempre...