|
A+ / A-

Jornalistas reforçam que falta de condições de trabalho condiciona independência

15 jan, 2017 - 22:00

Por outro lado, profissionais de comunicação social reafirmam que não são “pés de microfone”.

A+ / A-

Terminou este domingo o 4.º congresso dos jornalistas com a aprovação por unanimidade de uma resolução final com 12 pontos. Os jornalistas lembram que “as condições de trabalho – dimensão reduzida das redacções com os despedimentos, precariedade, baixos salários e falta de tempo – estão a ter efeitos na qualidade do jornalismo e condicionam a independência dos jornalistas”.

Outros pontos aprovados reforçam que “os conselhos de redacção têm de ter um papel activo, o que exige a protecção legal dos jornalistas que neles participam. Os pareceres dos conselhos de redacção têm de ser vinculativos, nomeadamente para os cargos de direcção e chefia”.

Foram também aprovadas notas relacionadas com a necessidade de se cumprir a legislação laboral, reforçar os princípios éticos e deontológicos e de dar mais peso aos jornalistas nas entidades reguladoras do sector.

Os jornalistas terminam o documento, assumindo “o compromisso de cumprir os deveres e as responsabilidades decorrentes dos princípios ético-deontológicos do jornalismo e das melhores práticas do exercício da profissão”.

Entre as cerca de 40 propostas aprovadas destaque para o boicote a conferências de imprensa onde os jornalistas não tenham direito a fazer perguntas e às entidades que façam blackout aos órgãos de comunicação social.

Vai também avançar uma reflexão que leve a eventuais alterações ao actual Código Deontológico dos Jornalistas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Carlos Abreu
    16 jan, 2017 Lamego 21:04
    Os jornalistas,alguns claro,têm dado uma imagem que se vendem facilmente.E é POR isto que as pessoas nâo lêem jornais e viram-se para a TV mas Para verem programas, que tenhem pouco de bom,por isso esta falta de prestigio da C.S. no seu todo.Temos bons jornalistas,temos.Mas temos muito jornalismo que envergonha a classe.E assim se mata uma classe no seu todo.Varram essas ervas daninhas e tudo voltara a ser jardim D
  • Indignada
    16 jan, 2017 Fig. Foz 09:35
    "...efeitos na qualidade do jornalismo e condicionam a independência dos jornalistas”. Em meu entender, esta democrática censura, é motivada pela elevada corrupção e incompetência dos govrenantes, que procuram amordaçar aqueles que falam deles, como aconteceu com o Soares ou o Sócrates entre outros, como estão lembrados. Porque não se recusam a elogiar quem vos persegue?