Tempo
|
A+ / A-

​Costa puxa pelas energias renováveis na Índia

10 jan, 2017 - 21:22 • Susana Madureira Martins , enviada especial à Índia

Primeiro-ministro participou esta terça-feira numa conferência em Gujarat e depois voou para Goa, escala final da visita de Estado que termina na quinta-feira.

A+ / A-

No quarto dia da visita de Estado o primeiro-ministro esteve na cidade de Ahmenabad para participar na “Vibrant Gujarat”, a megaconferência que tem como objectivo promover oportunidades de negócio à escala global.

António Costa discursou sobre energias renováveis. Este tinha sido um dos temas que ainda não tinha sido especificamente abordado pelo primeiro-ministro nesta visita. Um dos acordos bilaterais Portugal-Índia assinado nos últimos dias passou precisamente por este mercado das energias renováveis e do desenvolvimento sustentável.

Nesta conferência em Gujarat, Estado donde é proveniente grande parte da comunidade indiana que existe em Portugal, o primeiro-ministro recordou que ambos os países ratificaram o acordo de Paris e apelou a que este rapidamente seja posto em marcha, acrescentando que, em Portugal, o Governo está a promover o uso eficiente dos recursos, a mobilidade eléctrica, aproveitando um país rico em sol e água.

O primeiro-ministro falou de grandes oportunidades que podem ser aproveitadas e da parceria estratégica sobre desenvolvimento sustentável que é possível fazer entre Portugal e a Índia. Das relações incipientes, António Costa quer passar para um patamar “vibrante”.

Num discurso de cerca de dez minutos perante mais de duas mil pessoas, numa sala com híper-segurança e com a presença do primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, Costa fez de novo furor ao dirigir-se à plateia como estando muito honrado por estar em Gujarat como pessoa de origem indiana, arrancando muitos aplausos.

Esta terça-feira a comitiva voou por duas vezes, primeiro para o Estado do Gujarat, onde o primeiro-ministro era suposto visitar a casa onde viveu Ghandi, mas a agenda atrasou-se tanto que a visita acabou por ser cancelada. Depois foi a vez de voar para Goa, ponto final desta visita de Estado que termina na quinta-feira.

Antes disso está agenda uma visita privada do primeiro-ministro a familiares que ainda residem em Margão.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+