|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Óbitos

A+ / A-

​Ambientalistas marcam protesto no consulado de Espanha contra Almaraz

05 jan, 2017 - 03:07

Concentração está marcada para 12 de Janeiro, dia em que deveria realizar-se uma reunião entre os ministros do Ambiente de Portugal e Espanha.

A+ / A-

Veja também:

Ambientalistas portugueses e espanhóis decidiram realizar, a 12 de Janeiro, um protesto em frente ao consulado de Espanha na capital portuguesa, pelo encerramento da central nuclear de Almaraz.

O protesto, decidido esta quarta-feira, visa "mostrar que os grupos ecologistas estão interessados em forçar o diálogo com o Governo espanhol e a obrigar o Governo espanhol a decidir o encerramento da central de Almaraz", disse à agência Lusa o ambientalista português António Eloy, do Movimento Ibérico Anti-Nuclear.

A 12 de Janeiro, deveria realizar-se entre o ministro do Ambiente, João Matos Fernandes, e a sua homóloga espanhola uma reunião para discutir o futuro da central de Almaraz, mas o responsável pela pasta do ambiente português admitiu já não participar no encontro caso se concretize a decisão espanhola de construir um armazém para resíduos nucleares.

Em meados de Dezembro, o Governo espanhol deu luz verde à construção do armazém para resíduos nucleares na central de Almaraz, localizada a cerca de 100 quilómetros da fronteira portuguesa, através de uma resolução da Direcção-Geral de Política Energética e Minas do Ministério da Energia.

A construção de um armazém para resíduos nucleares pode indiciar que a central de Almaraz vai prolongar a sua actividade, apesar dos problemas que tem tido nos últimos tempos, segundo os ambientalistas.

No encontro realizado hoje, os ambientalistas criticaram também o comportamento do ministro do Ambiente de Portugal ao longo do último ano.

"O ministro não pode continuar a ser despiciente e armar-se em herói quando foi absolutamente conivente com esta situação a que chegamos", lembrou António Eloy.

Além do protesto, os ambientalistas decidiram também realizar uma conferência internacional sobre nuclear e Almaraz, que vai ser organizada pelo Movimento Ibérico Antinuclear a 4 de Fevereiro, em Lisboa.

"Será certamente um elemento mais para forçar esta oposição a estes desenvolvimentos energéticos no que se refere a Almaraz e, nomeadamente, a continuação do seu funcionamento por mais 20 anos o que é absolutamente impensável" devido aos problemas graves da central, disse António Eloy.

Em Fevereiro, a Agência Portuguesa do Ambiente referiu ter garantias do Conselho de Segurança Nuclear de Espanha que a Central Nuclear de Almaraz se encontrava em condições de segurança, depois de inspectores espanhóis terem alertado para falhas no sistema de arrefecimento de serviços essenciais da central.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.