Tempo
|
A+ / A-

Birmânia acusada de encobrir abusos sobre minoria muçulmana

05 jan, 2017 - 12:24

Os rohingya têm sido perseguidos, mortos e aterrorizados pela maioria budista e pelas forças armadas, acusam grupos de defesa dos direitos humanos, mas o Governo da Nobel da Paz Aung San Suu Kyi nega tudo.

A+ / A-

O Governo da Birmânia está a ser acusado de encobrir os abusos humanitários cometidos contra a minoria rohingya ao longo dos últimos anos.

Vários grupos de defesa dos direitos humanos, incluindo o Human Rights Watch e a Amnistia Internacional, alegam que os rohingya têm sido alvo de campanhas concertadas de limpeza étnica, que incluiem massacres, violência física, violações e destruição de propriedades. Milhares têm fugido do país, procurando atravessar a fronteira para o Bangladesh ou para a Tailândia, onde vivem em campos de refugiados.

Uma fotografia de um bebé de 16 meses deitado de barriga para baixo na lama, que morreu quando a sua mãe tentava passar um rio, voltou a colocar a causa dos rohingya na imprensa, numa altura em que o Governo birmanês divulga um relatório onde diz que as alegações de violência contra este grupo étnico são inventadas.

O Governo diz que a dimensão da comunidade na região onde alegadamente tem havido perseguições, juntamente com a existência de edifícios públicos, incluindo mesquitas, “é prova de que não houve casos de genocídio ou de perseguição religiosa”.

A Human Rights Watch diz que o relatório birmanês é um exemplo clássico de um documento com conclusões predeterminadas, “com o objectivo de afastar a pressão da comunidade internacional”.

A actual responsável pelo Governo birmanês, a Nobel da Paz Aung San Suu Kyi, tem sido criticada pelo seu papel neste encobrimento, embora possa ter sido condicionada pelos militares que continuam a ter um peso determinante no regime.

Os rohingya são uma minoria étnica, maioritariamente islâmica, que vive na região da Birmânia - conhecida também como Myanmar - que faz fronteira com o Bangladesh. Contudo, e apesar de reconhecer outras minorias étnicas no seu país, as autoridades birmanesas recusam aceitar que os rohingya sejam uma etnia separada, chamando-os bengalis e afirmando que são na maioria migrantes ilegais do Bangladesh ou descendentes de refugiados que vieram daquele país na década de 70. A maioria dos birmaneses são budistas.

A pressão dos militares sobre os rohingya – imagens divulgadas há dias mostram um grupo de soldados a espancar aldeãos – é agravada por perseguições populares em zonas em que os muçulmanos estão em minoria, frequentemente atiçadas por extremistas budistas nacionalistas, incluindo monges.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Filos
    05 jan, 2017 Castelo Branco 16:06
    Engraçado! Nos países maioritariamente muçulmanos existem outros grupos étnicos como os Kurdos ou os Yazidis ou grupos minoritários como os Cristãos e por ex. os Budistas que também são perseguidos, chicoteados, decapitados...e não se lê (nos meios de comunicação "tradicionais") nada dessas execuções e perseguições!!! Será que só têm "coragem" de dizer (ou subentenderem Islamofobia) e não têm a coragem de dizer e escrever Cristianofobia, Judaísmofobia, ou Budismofobia...