|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Centeno admite nacionalizar o Novo Banco e promete solução para a Caixa

04 jan, 2017 - 07:13

Nos próximos dias, deverá ser anunciado o nome do vencedor da corrida à compra do que restou do BES.

A+ / A-

O ministro das Finanças garante que o Estado não vai pôr dinheiro público em risco no negócio do Novo Banco. Em entrevista ao “Diário de Notícias”, Mário Centeno afirma que “uma garantia de Estado para suportar um negócio privado é algo” que o Governo não equaciona.

Isto, depois de um dos concorrentes – os americanos da Lone Star – terem pedido uma garantia do Estado superior a dois mil milhões de euros para concretizar o negócio.

O ministro diz que desconhece formalmente esta proposta, mas recusa meter dinheiro num negócio privado.

Quando questionado sobre se "integrar o Novo Banco na esfera pública está fora de questão", o ministro responde: "Enfim, nada está fora de questão quando se trata de garantir a estabilidade do sistema financeiro".

"Temos visto, em quase todos os países da Europa – diria até em todos – enormes esforços para garantir essa estabilidade e recorrendo a todas as fórmulas possíveis que existam", salienta.

Centeno lembra que "o Novo Banco tem um papel também muito importante no sistema bancário português – financeiro, aliás – precisamente por causa do financiamento às pequenas e médias empresas. É um banco absolutamente de charneira, nessa dimensão e tem de ser tida em conta essa relevância em todas as decisões que forem tomadas".

“Desse ponto de vista, não acho que seja adequado eliminar nenhum tipo de abordagem em relação ao Novo Banco”, conclui.

Quanto ao Banco Espírito Santo, Mário Centeno diz que em cima da mesa está a hipótese de nacionalização do antigo BES e avança que, nos próximos dias, deverá ser anunciado o nome do vencedor da corrida à compra do que restou do banco.

Quanto à Caixa Geral de Depósitos, o ministro das Finanças diz esperar ter o processo concluído nos próximos dias, com a tomada de posse da nova administração, e sublinha que é um processo que não depende do Governo, mas dos "timings" do Banco Central Europeu (BCE).

Caixa com solução em breve

Quanto à Caixa Geral de Depósitos, o ministro das Finanças diz esperar ter o processo concluído na próxima semana, com a tomada de posse da nova administração, liderada pelo ex-ministro das Finanças Paulo Macedo.

“Espero ter esse processo concluído nos próximos dias. Por próximos dias eu diria que seria no decorrer da semana que vem, mas também gostava de frisar que é um processo que não depende do Governo, não depende do accionista”, mas dos "timings" do Banco Central Europeu (BCE).

É a instituição europeia que tem de dar luz verde aos nomes da nova administração, mas o ministro garante que “há uma pressão firme sobre estas instituições, do nosso lado, para que o processo avance e, nesse contexto, veria como expectável que nos próximos dias essa transição possa concluir-se".

O titular da pasta das Finanças recorda que o processo se iniciou "com o acordo de princípio" alcançado com a Comissão Europeia, que classificou como "um acordo de longo alcance muito importante para a Caixa e, por consequência, também para o sistema financeiro".

"Não foi uma escolha termos de estar, neste momento, a fazer uma transição de conselhos de administração. É uma transição que está a ocorrer dentro daquilo que é o comportamento institucional previsto nestas circunstâncias. A Caixa tem uma administração que está a cuidar dos assuntos da CGD, à espera de uma nova administração que está em aprovação, e a sua nomeação pelo BCE e ocorrerá dentro dos próximos dias", destaca.

Apesar das adversidades, Mário Centeno mostrou-se "muito satisfeito com o resultado" do processo da Caixa.

"Porque o que tenho de apresentar aos portugueses são resultados. Nós, quando temos de fazer um processo destes, temos de lidar com muitas instituições, dentro do país e fora do país. A equipa que fez a gestão deste processo foi uma equipa muito coesa, no Ministério das Finanças, em que todos os aspectos políticos e técnicos foram tratados com muita minúcia e muito profissionalismo – com certeza com o Dr. António Domingues também", afirma.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • vaca voadora
    04 jan, 2017 Santarém 21:33
    Em 2015 esta gente de esquerda na oposição defendiam em coro a nacionalização do Novo Banco, hoje já estão dispostos a entregá-lo a qualquer preço para se verem livres dele e os interessados são cada vez menos e com mais exigências, agora a nacionalização parece já não ser solução que nunca seria certamente a não ser para nos sugar ainda mais impostos.
  • da
    04 jan, 2017 coimbra 10:04
    Sem dúvidas pá, porque o BE não compra o o novo banco? ou até o PS, devem precisar receitas. são tão "bons" a gerir mas é com o dinheiro dos outros!
  • GERINGONÇA DEMAGOGA
    04 jan, 2017 Lx 09:54
    Este Ministro é um pândego completo...Só promessas e resoluções nada. Adia tudo, só fazem as neiras mas se tivesse decência já estava na rua pela sua incompetência em lidar com a CGD...Uma triste figura este desgoverno de pantomineiros e vendedores da banha da cobra. Basta ler o comunicado dos kamaradas do PCP que apoiam os socialistas no parlamento para ver o ridículo deste país. Os comunistas vêm dizer que os poucos ganhos dos trabalhadores com esta governação da esquerda radical foram "comidos" pelos aumentos dos bens e serviços ocorridos: leia-se combustíveis, leia-se electricidade e por aí adiante... Uns verdadeiros impostores e demagogos esta extrema esquerda que nos vai levar a outro resgate pois as taxas de juro da dívida pública estão a chegar aos 4 por cento e aí a porca torce o rabo...
  • Pindorica
    04 jan, 2017 Lisboa 08:51
    Eheheheheheh,mas qu sentido de humor que o melro tem.
  • Manel
    04 jan, 2017 Alverca 08:29
    Alguém que defenda o País !
  • tuga
    04 jan, 2017 lisboa 07:47
    Uns gamam ficam na boa nada lhes acontece e este energúmeno povo que quer é telechachadas e futebol paga os gamanços dos outros!!