|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

​Vinte mil pessoas já terão sido retiradas de Alepo

20 dez, 2016 - 01:19

Em declarações à Renascença, a porta-voz da Cruz Vermelha Internacional espera que a política não se intrometa numa operação humanitária que já começou tarde.

A+ / A-

A operação foi retomada com a Cruz Vermelha Internacional e o Crescente Vermelho sírio e árabe a auxiliar a evacuação de outras cinco mil pessoas, entre elas civis, mulheres, idosos, feridos e doentes.

Entre 17 e 20 mil civis já foram retirados da parte oriental de Alepo, na Síria, depois de a operação de evacuação ter sido retomada esta segunda-feira. Os números variam conforme as fontes.

A retirada de civis da cidade sitiada tinha sido suspensa no sábado, depois de vários autocarros de ajuda humanitária terem sido incendiados.

É esperado que a evacuação possa prosseguir mais rapidamente, agora que o Conselho de Segurança da Nações Unidas aprovou o envio de observadores internacionais para Alepo.

Em declarações à Renascença, Krista Armstrong, porta-voz da Cruz Vermelha Internacional, e deixou um aviso para que a política não se intrometa nesta operação que já começou tarde.

“Enquanto esta resolução e aquilo que ela segue continue distinto e separado do que estamos a fazer no terreno, um sistema de monitorização internacional, tal como foi proposto, deve ajudar a reforçar a protecção dos civis durante este tipo de operações ou semelhantes. Por isso, é muito importante que estas evacuações, considerando o quão complexo foi alcançá-las, não sejam postas em perigo por serem politizadas.”

"Por favor, tirem-nos de Alepo". Órfãos sírios enviam mensagem ao mundo
"Por favor, tirem-nos de Alepo". Órfãos sírios enviam mensagem ao mundo

A situação das pessoas que não conseguem dizer adeus à sua cidade natal está também a ser acautelada, explica Krista Armstrong.

“Estamos a chamar agências humanitárias como o Crescente Vermelho sírio e árabe, ou a comunidade da Cruz Vermelha Internacional, para conseguirem chegar a elas o mais rápido possível, para avaliar as suas necessidades, para saber o que elas precisam, em termos de se prepararem para o frio, para conseguirem os básicos”, sublinha a porta-voz da Cruz Vermelha Internacional.

Em Alepo, os serviços hospitalares não funcionam, a distribuição de água e electricidade está danificada e não há mantimentos. O que agrava ainda mais a situação porque o Inverno está-se a aproximar, refere Krista Armstrong.

Além da evacuação da zona oriental de Alepo, controlada pelos rebeldes, está em curso a retirada de civis das aldeias xiitas de al-Foua e Kefraya.

Para esta terça-feira, em Moscovo, está marcada uma reunião com os ministros da Defesa e dos Negócios Estrangeiros da Rússia e do Irão, os principais apoiantes do regime do Presidente sírio, Bashar al-Assad, e da Turquia, que apoia alguns grupos rebeldes.

Reencontros emotivos em Alepo antes de evacuação ser suspensa
Reencontros emotivos em Alepo antes de evacuação ser suspensa
Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • tuga
    20 dez, 2016 lisboa 09:03
    Não deixem nenhum desses mercenários a que o ocidente apelida de ""rebeldes"" vivo!!!! Nem UM!!!