Tempo
|
A+ / A-

Cresceu o número de jornalistas presos. Turquia é a "maior prisão do mundo para a profissão"

13 dez, 2016 - 09:06

Organização Repórteres Sem Fronteiras (RSF) avança balanço de 2016.

A+ / A-

O número de jornalistas presos no mundo aumentou em 2016. Um aumento que é explicado, em grande parte, pela situação na Turquia, onde mais de 100 profissionais da imprensa estão detidos.

"Hoje há 348 jornalistas - incluindo bloggers -, detidos no mundo, o que representa um aumento de 6% em relação a 2015. O número de jornalistas profissionais presos aumentou 22% no mundo e "quadruplicou na Turquia após a tentativa de golpe de Julho", indica o relatório da organização Repórteres Sem Fronteiras (RSF), organização não governamental com sede em Paris.

O número de mulheres jornalistas detidas também multiplicou por quatro na Turquia (21 contra 5 em 2015), "o que evidencia o crescimento do papel das mulheres na profissão, mas também o desastre que atravessa a Turquia, que é responsável por um terço das repórteres detidas".

"Na porta de entrada da Europa, uma verdadeira caça às bruxas levou para a cadeia dezenas de jornalistas, transformando a Turquia na maior prisão do mundo para a profissão. Num ano, o regime de Erdogan esmagou o pluralismo nos media, e a União Europeia não disse virtualmente nada", denunciou Christophe Deloire, secretário-geral da RSF.

No seu balanço anual também publicado nesta terça-feira, o Comité de Protecção dos Jornalistas (CPJ) calcula que 81 repórteres estão detidos na Turquia, "a maior quantidade já registada em qualquer país". O CPJ aponta quatro jornalistas detidos na América Latina. O Panamá mantém um jornalista estrangeiro detido e a Venezuela um repórter com dupla cidadania. Cuba integra a lista de países que prenderam jornalistas em 2016 e que não estavam na lista do CPJ do ano passado. Além da Turquia, China, Irão e Egipto concentram mais de dois terços dos jornalistas presos no mundo, destaca a RSF, que pede a criação do posto de representante especial para a segurança dos jornalistas, vinculado directamente ao secretário-geral da ONU.

Ao mesmo tempo, a Repórteres Sem Fronteiras informa que a quantidade de jornalistas tomados como reféns caiu em 2016 na comparação com o ano passado: 52 contra 61.

Esta ONG recorda que o número de sequestros no ano passado foi particularmente elevado. Este ano, os jornalistas feitos reféns concentram-se em três países: Iémen, Síria e Iraque. Nos dois últimos países, o grupo Estado Islâmico mantém 21 jornalistas em cativeiro, particularmente repórteres locais. Em 2016, apenas um jornalista - Jean Bigirimana, do Burundi- está dado como desaparecido (contra 8 no ano passado). A RSF considera desaparecido um repórter quando não há elementos suficientes para determinar se foi vítima de homicídio ou sequestro e quando a sua situação não foi objecto de nenhuma reivindicação verificável.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • tuga
    13 dez, 2016 lisboa 09:55
    São ao amigos da europa!! até vão entrar para a UE estes gajos são uns dos que deveriam desaparecer da face da terra!!