Tempo
|
A+ / A-

Patriarca considera "abusiva" qualquer tentativa de legalizar eutanásia

08 dez, 2016 - 17:27

“Recuarmos neste ponto seria gravíssima limitação da liberdade autêntica”, afirma D. Manuel Clemente na solenidade da Imaculada Conceição.

A+ / A-
Cardeal-patriarca considera "abusiva" qualquer tentativa de legalização da eutanásia
Cardeal-patriarca considera "abusiva" qualquer tentativa de legalização da eutanásia

Veja também:


O cardeal patriarca de Lisboa considera “abusiva” qualquer tentativa de legalizar a eutanásia, propondo uma sociedade “paliativa” que esteja ao lado dos mais fracos e necessitados.

“Recuarmos neste ponto seria gravíssima limitação da liberdade autêntica”, advertiu esta quinta-feira D. Manuel Clemente, na homilia da missa a que presidiu no Mosteiro dos Jerónimos, por ocasião da solenidade da Imaculada Conceição.

A celebração, com a ordenação de um padre e cinco diáconos, representou a conclusão do Sínodo Diocesano, sendo por isso a ocasião escolhida para a apresentação da Constituição Sinodal, resultante dos trabalhos da assembleia consultiva da última semana.

O também presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) sublinhou a importância de defender a vida “do nascimento ao crescimento, até à morte natural”.

O patriarca propôe “mais presença e companhia” por parte das comunidades católicas, em particular junto de quem mais sofre, procurando alargar o “manto protector” para quem sofre.

D. Manuel Clemente voltou ao tema em declarações aos jornalistas no final da cerimónia. “A eutanásia não elimina apenas a dor, elimina a vida. E a vida é um direito inviolável pela nossa Constituição. Artigo 24: a vida humana é inviolável. Portanto, se é inviolável vamos fazer disto também uma prática de proximidade, de conforto e de presença”, declarou.

Em relação ao Sínodo Diocesano, o cardeal falou da importância de assumir este “conjunto de opções” em comunidade e “em crescimento na fé”. “Só em conjunto faremos o que devemos”, realçou.

A eutanásia vai ser debatida no Parlamento, depois de a comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias ter aprovado, no final de Novembro, o relatório sobre a petição que pede a despenalização da eutanásia.

A petição, subscrita por mais de oito mil pessoas, vai, assim, a debate no plenário da Assembleia da República. Os deputados deverão ser chamados a tomar posição no início do próximo ano, tendo o Bloco de Esquerda (BE) e o PAN anunciado que apresentarão iniciativas próprias.

A Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) pediu já um debate sobre eutanásia alargado a outros sectores da sociedade portuguesa. Considera que a discussão política é insuficiente.

A Igreja Católica, bem como quase todas as principais confissões cristãs, muçulmanas e judaicas, condena firmemente qualquer prática que antecipe a morte de um doente, seja a seu pedido ou não, opondo-se por isso tanto à eutanásia como ao suicídio assistido.

Eutanásia em debate desde Fevereiro

Tudo começou com um manifesto em defesa da morte assistida, assinado por políticos de vários quadrantes, cientistas, médicos e artistas. O documento, lançado no início de Fevereiro, deu entrada na Assembleia da República no dia 26 de Abril, com mais de oito mil assinaturas.

Em Março, a Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) lançou uma nota pastoral que contesta uma eventual legalização da eutanásia em Portugal e rejeita qualquer solução que coloque em causa a “inviolabilidade” da vida.

Em Abril, a CEP reforçou a sua posição de “total rejeição” de uma eventual legalização da morte assistida, afirmando, em comunicado que “a Igreja nunca deixará de defender a vida como bem absoluto para o homem, rejeitando todas as formas de cultura de morte”.

Durante a Caminha pela Vida, a 14 de Maio, foi lançada a petição contra a eutanásia, que também pede "mais apoios para os idosos”. As assinaturas já existentes foram recolhidas online, no site www.todaavidatemdignidade.org.

Cinco bastonários da Ordem dos Médicos assinam uma carta na qual se opõem frontalmente à eutanásia, considerando que esta prática “não é mais do que tirar a vida” e que os médicos que o façam negam a profissão.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • lua
    27 jan, 2017 ovar 16:37
    "Preparei-me para a minha morte e deixei claro que não desejo ser mantida viva a qualquer custo. Espero ser tratada com compaixão e que me seja permitido partir para a próxima fase da jornada da vida da forma que eu escolher." Deus nos dignifica por nos dar livre-arbítrio!
  • Luis
    09 dez, 2016 Lisboa 09:36
    Eu também acho abusiva a tua opinião relativamente a um assunto que nos compete a todos decidir, meu padreca.
  • joao
    09 dez, 2016 faro 03:18
    Pura hipocrisia. O aborto é permitido mas alguém que sofre de uma doença terminal não tem o direito de por fim ao seu sofrimento?
  • João Lopes
    08 dez, 2016 Viseu 19:27
    A eutanásia e o suicídio assistido são diferentes formas de matar. Os médicos existem para defender a vida, não para matar nem serem cúmplices do crime de outros.

Destaques V+