|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Um bom dia para deixar de fumar com estilo, piada e boa onda

17 nov, 2016 - 08:46

Apresentadora Andreia Rodrigues, o humorista António Raminhos e o surfista Tiago Pires aderiram à campanha associação Pulmonale. Saúde 24 já tem atendimento para quem queira deixar de fumar.

A+ / A-

Assinala-se esta quinta-feira o Dia Mundial do Não Fumador, uma data para sensibilizar as populações para os factores de risco associados ao consumo do tabaco e divulgar maneiras eficazes para deixar de fumar.

Nesse sentido, e no âmbito também do mês de sensibilização para o cancro do pulmão, a Associação Portuguesa de Luta Contra o Cancro do Pulmão – Pulmonale

lança esta uma campanha protagonizada por três figuras públicas que apelam á consciência dos malefícios do tabaco.

“Tens Estilo? Tens Piada? Boa Onda? Podes não ter. Mas tens sempre uma boa razão para não fumar: a tua saúde”, diz o cartaz da associação.

“Eles têm estilo, piada e boa onda. Eles são Andreia Rodrigues, António Raminhos e Tiago Pires” e têm em comum o facto de não fumarem e de darem a cara pela campanha da Pulmonale neste Dia Mundial do Não Fumador.

O conselho que deixam é: não fumes e informa-te sobre os perigos do tabaco. Previne o cancro do pulmão.

Em 2013, morreram 12.350 pessoas por causas associadas ao tabaco, como doenças respiratórias crónicas, infecções respiratórias e doenças cardiovasculares. Os dados são do relatório Prevenção e Controlo do Tabagismo em Números, segundo o qual o valor representa 11% de todos os óbitos ocorridos em Portugal nesse ano.

Dentro das mortes por cancro, num total de 5.460, destaque para os cancros da traqueia, dos pulmões e dos brônquios.

Todos os anos, o Dia Mundial do Não Fumador, celebrado a 17 de Novembro serve de reflexão, mas também para agir, podendo ser o dia para se decidir a deixar de fumar.

Saúde 24 ajuda a deixar de fumar

Desde Maio, a Linha Saúde 24 (808 24 24 24) tem um atendimento específico para quem queira deixar de fumar.

“Analisamos o estado emocional da pessoa e que motivação tem para deixar de fumar. Tentamos perceber se o seu ‘dia D’ para deixar de fumar já está definido, avaliamos a dependência nicotínica que o utente pode ter e enviamos para as consultas de cessação tabágica que existem nos agrupamentos dos centros de saúde ou para o médico de família”, explica à Renascença o enfermeiro Sérgio Gomes, da Linha Saúde 24.

O mesmo responsável admite que ainda não há comparticipação para os medicamentos que podem ajudar a deixar de fumar, mas realça a importância do novo serviço da Linha Saúde 24.

“O que se proporciona ao cidadão é, por este simples contacto, podermos ajudá-lo, através desta articulação que temos com os centros de saúde, para que aí haja uma avaliação sobre a necessidade de medicação de apoio e perceber se o seu empenho é suficiente para deixar de fumar. Tudo depende da dependência nicotínica”, explica.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • 19 nov, 2016 11:07
    Sou o verdadeiro fumador passivo. Fumo 2 maços de cigarros e sou fumador de boca. Isto é, não engulo o fumo. Como tal, em cada rx aos pulmões, estes continuam a ter a sua cor original, não apresentando marcas do fumo do cigarro. Ou seja, primeir mentira: Não há fumadores passivos. Se eu que fumo não tenho alterações na cor pulmunar, quem está a meu lado quando estou a fumar, não engole o fumo e naturalmente também não tem alterações pulmunares. Incomoda? Acredito que sim, mas não incomoda mais do que muita soutras coisas na vida. Saber viver com os outros e respeitar os outros, desde logo as suas opções, é um dever de cidadania, e se eu enquanto cidadão respeito os outros, não fumando em determinados locais, os outros também me devem respeitar enquanto cidadãos que dizem ser. Como inúmeros médicos já reconheceram, tudo não passa de uma jogada (de mestre diga-se) dos laboratórios farmacêuticos para vender os produtos que fabricam para impor ao nosso cérebro a vontade de deixar de fumar.
  • leonardo messi
    17 nov, 2016 queluz 12:08
    eu fumo mesmo e quem não gostar que se ....
  • ze
    17 nov, 2016 lisboa 11:26
    Mas ainda há pessoas a fumarem?
  • Portuga
    17 nov, 2016 Portulândia 11:25
    O quê, deixar de fumar? E a quantidade de postos de trabalho, na cadeia vertical do negócio, se perderiam? E onde iria o governo, um qualquer e de qualquer cor partidária, conseguir o dinheiro que consegue com os impostos diretos e indiretos? Cuidado que as coisas nem sempre são com se desejariam ou queriam.
  • luis
    17 nov, 2016 lisboa 10:43
    Amigos não custa nada. Fumava dois maços e meio por dia. Acordava a meio da noite para fumar. Saia do cinema a meio para fumar. Aqui há 9 anos decidi deixar de fumar e foi fácil. Só se pensa nisso durante uma semana e depois estamos livres. Nunca mais desde então.
  • Pedro Andrade
    17 nov, 2016 Braga 10:26
    Eu não tenho estilo, não tenho piada e não tenho boa onda. Graças ao tabaco não preciso de nenhuma dessas tretas.
  • AM
    17 nov, 2016 Lisboa 10:10
    Quem fuma, precisa dos comprimidos do Futre... Pois!