|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Fugitivo de Aguiar da Beira. "Não há descoordenação entre as forças de segurança", garante o Governo

20 out, 2016 - 17:20

Executivo nega "incómodo" com a forma como decorre a operação de captura de Pedro Dias.

A+ / A-
Aguiar da Beira. O percurso do criminoso mais procurado de Portugal
Aguiar da Beira. O percurso do criminoso mais procurado de Portugal

Veja também:


A ministra da Presidência negou esta quinta-feira existir descoordenação entre as forças de segurança que tentam capturar há 10 dias o suspeito de dois homicídios em Aguiar da Beira.

Maria Manuel Leitão Marques respondia a uma questão acerca da preocupação do Governo relativamente “à descoordenação das forças policiais envolvidas na ‘caça’ ao suspeito dos homicídios de Aguiar da Beira”, de que o "Diário de Notícias" faz manchete esta quinta-feira.

“A resposta que lhe posso dar é que não há descoordenação entre as forças de segurança. Não há descoordenação, não há incómodo [para os membros do Governo]. Só isso”, afirmou a ministra, na conferência de imprensa que se seguiu ao Conselho de Ministros.

Já o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, também presente na conferência de imprensa, afirmou que o motivo de preocupação é o alegado homicida não ter ainda sido detido.

“Ainda não foi detido, é um motivo de preocupação, mas neste momento o que importa aqui é saudar, apoiar e agradecer o enorme esforço que todas as forças de segurança e a polícia de investigação criminal estão a fazer para essa detenção”, considerou.

Pedro Dias, de 44 anos encontra-se a monte há 10 dias, desde 11 de Outubro, data em que terá matado duas pessoas, um militar da GNR e um civil, e ferido outras duas a tiro, em Aguiar da Beira, distrito da Guarda.

Depois disso fugiu e há relatos de ter sido visto ou deixado indícios da sua presença em São Pedro do Sul, distrito de Viseu, e em Arouca, distrito de Aveiro, onde atacou uma mulher e um homem e fugiu no carro do homem.

No domingo, cruzou-se com a patrulha da GNR, na zona industrial de Vila Real, e as autoridades perderam-lhe o rasto em Constantim.

Na segunda-feira foi encontrada a viatura roubada em Arouca, na aldeia de Carro Queimado, e, na terça-feira, duas pessoas disseram ter visto o suspeito na localidade vizinha de Assento.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.