Tempo
|
Crónicas da América
A+ / A-

Marcelo promove Guterres na ONU elogiando espírito de abertura e diálogo de Portugal

21 set, 2016 - 06:20 • José Alberto Lemos, em Nova Iorque

O próximo secretário-geral, afirmou Marcelo, deve ser um congregador de espíritos e de vontades, capaz de promover a tolerância e o diálogo entre todos. E citou expressamente os exemplos de Mahatma Ghandi e de Nelson Mandela.

A+ / A-
Marcelo traça o perfil do próximo secretário-geral da ONU
Marcelo traça o perfil do próximo secretário-geral da ONU

“Da minha língua vê-se o mar”. Foi com a conhecida e lindíssima citação de Vergílio Ferreira que o Presidente da República encerrou na terça-feira ao fim da tarde (quase madrugada em Portugal) o seu discurso perante a 71ª Assembleia Geral das Nações Unidas, em Nova Iorque.

Dificilmente Marcelo Rebelo de Sousa poderia ter encontrado citação mais adequada porque, de facto, o mar e a vocação marítima de Portugal foram o fio condutor da sua intervenção. Um mar que une e não que divide, um mar visto e sentido pelos portugueses como ponte e não como obstáculo intransponível. Por isso, o Presidente saudou a realização da primeira cimeira da ONU sobre mares e oceanos a realizar já no próximo ano, que considerou prioritária.

Desta imagem partiu para falar sobre a abertura de Portugal ao mundo traduzida no seu compromisso com o multilateralismo que é apanágio das Nações Unidas. E deu vários exemplos do empenho do nosso país nas missões internacionais para ajudar a garantir a paz em zonas turbulentas do mundo.

As missões de vigilância contra o narcotráfico e a pirataria no golfo da Guiné, a colaboração na pacificação do Mali e da República Centro-Africana, o empenho na restauração da democracia na Guiné-Bissau e a futura colaboração no processo de paz interno da Colômbia para o qual anunciou que iriam efectivos portugueses, foram alguns desses exemplos.

A abertura ao mundo traduz-se também no facto de Portugal ter acolhido o dobro dos refugiados sírios que lhe foram atribuídos pelas quotas da União Europeia, sublinhou o Presidente, para alertar para a necessidade de garantir o ensino às crianças e aos jovens forçados a abandonar os seus países de origem.

Uma alusão à iniciativa do antigo Presidente Jorge Sampaio que promoveu a integração de muitos estudantes sírios em universidades portuguesas, iniciativa que Sampaio tem dado a conhecer em encontros paralelos aqui em Nova Iorque no âmbito da cimeira dos refugiados. Marcelo invocou a sua qualidade de professor universitário para dizer que ele próprio tinha dado aulas a estudantes sírios.

Como Ghandi e Mandela

Na mesma lógica de abertura ao mundo, Marcelo Rebelo de Sousa referiu-se, naturalmente, ao processo de selecção do novo secretário-geral da ONU, manifestando a expectativa de que a pessoa escolhida tenha qualidades humanas que lhe permitam ser um congregador de espíritos e de vontades, um construtor de pontes, capaz de promover a tolerância e o diálogo entre todos. E citou expressamente os exemplos de Mahatma Ghandi e de Nelson Mandela.

António Guterres, que assistia ao discurso de Marcelo ao lado do ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, talvez tenha pensado que o Presidente estava a colocar a fasquia muito alta. Mas o entusiasmo de Marcelo com a candidatura de Guterres a secretário-geral das Nações Unidas é indisfarçável. O próprio chefe de Estado disse aos jornalistas que não há um único encontro bilateral em que não fale do candidato português.

Marcelo reiterou ainda o compromisso de Portugal com os princípios da Carta das Nações Unidas, falou da visão humanista do mundo, do desenvolvimento sustentável, do combate à pobreza, dos direitos humanos, mas pôs uma ênfase particular na questão da luta contra a droga, defendendo a prevenção.

Não o fez por acaso. A abordagem portuguesa ao problema da droga como uma questão de saúde e não como uma questão criminal tem merecido a atenção de inúmeros países do mundo e ainda no passado mês de Abril decorreu na ONU uma cimeira sobre o assunto em que isso ficou patente. Encarar o dependente da droga como um doente e não como um criminoso é uma atitude que cada vez mais países adoptam para lidar com o flagelo.

Essa cimeira, tal como o acordo de Paris sobre o aquecimento global e a cimeira humanitária sobre os refugiados foram dados pelo Presidente da República como momentos altos do multilateralismo que caracteriza a ONU.

Líderes mundiais na sala ao lado

Ironicamente, a cimeira sobre os refugiados que começou na segunda-feira e prosseguiu na terça, acabou por retirar protagonismo à sessão solene da abertura da Assembleia Geral. Durante a tarde de terça-feira, os líderes mais destacados que compareceram em Nova Iorque foram mobilizados para a iniciativa paralela e não propriamente para a Assembleia Geral.

Quando Marcelo Rebelo de Sousa discursava, na cimeira paralela subia ao palco o Presidente francês, François Hollande. E por lá passaram na mesma tarde a primeira-ministra britânica, Theresa May, o primeiro-ministro canadiano, Justin Trudeau, o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, entre vários outros.

No mais, Marcelo reiterou as opções habituais de Portugal na política externa. Condenou veementemente o terrorismo, as tensões na península coreana, mas sem mencionar sequer a Coreia do Norte, e apelou ao fim do conflito israelo-palestiniano com base na solução dos dois estados a viver lado a lado em paz e segurança.

Num mar nunca dantes navegado pelo Presidente recém-eleito, Marcelo esteve ao seu melhor nível. Da sua língua viu-se, de facto, o mar.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Mário Guimarães
    21 set, 2016 Lisboa 13:39
    Sra. Anabela Silva, a Sra. é uma pessoa positiva e que aprecia Portugal e honra-se na defesa dos portugueses . As Descobertas portuguesas nortearam efectivamente a conquista do Espaço . No entanto hoje somos um País de criados de quem pagou e treinou terroristas contra nós .A ONU é um dos Orgãos Mundiais que urde vigarices das maiores e com ar ingénuo sempre financiada pelos mesmos. Embora a Sra. e o Presidente Marcelo tentem conseguir um Mundo melhor penso que não vamos lá . Tenha um Bom Dia !
  • Anabela Silva
    21 set, 2016 Braga 12:37
    Gostei da intervenção do Presidente Marcelo. Mas de facto é aqui que se vê que o mundo não acompanha a história e olha-nos como um pequeno País e não nos olhem como um pequeno País que descobriu tanto mundo , numa aventura tão corajosa e dificil,como agora vêm a conquista do espaço por alguns Países. E é triste. Tão triste como a pouca assistência que se viu na ONU na altura do nosso Presidente falar.Lamento que o Mundo nos veja assim tão pequenos que nem nos ouvir querem.Por isso Portugal e os Portugueses têm que dar as mãos e tornarem-se cada vez mais fortes na sena internacional. Parabéns Presidente pelo seu discurso cheio de afectos e defensor de causas,que só nomes que fizeram história são capaz..
  • António Pais
    21 set, 2016 Lisboa 12:24
    Este senhores foram para lá, por-se em bicos de pés, a falar de refugiados e promover o amigo Guterres... Sobre o relatório da pobreza em Portugal, zerooooo!!!!!
  • Alberto
    21 set, 2016 Funchal 11:11
    Convém promover Guterres. Se não é eleito, pode concorrer a PR no próximo mandato e Marcelo, nem a apresentar o Preço Certo ganharia!! Sr. PR...há por aí vários sedativos que pode tomar...
  • Filos
    21 set, 2016 Castelo Branco 10:23
    SUPER exagerado e COMPLETAMENTE ridículo tal comparação. Se é ele que prepara o seu próprio discurso acho que deveria ler alto primeiro, para, por vezes, ouvir o ridículo e desfaçatez dos seus "pensamentos".
  • Mário Guimarães
    21 set, 2016 Lisboa 09:11
    Mais outra desgraça para Portugal ! Agora somos o caixote do lixo dos refugiados causados pelas invasões e neo-colonialismo amaricão. A pouco e pouco o País enche-se de falsos refugiados com condições que os próprios portugueses não têm . Isto para não falar nos ilegais que o SIS não consegue controlar nem os políticos criados da América e de outras potências querem que se controle . Portugal um país de criados que daqui a pouco tem mais refugiados que portugueses. A polícia que se prepare para enfrentar os bairros problemáticos criados por políticos piolhosos que só "entalam "Portugal .
  • Gena
    21 set, 2016 Viseu 08:16
    Comparar Guterres, a Nelson Mandela e a Ghandi???? Gosto muito do nosso presidente Marcelo, mas excede-se bastante no discursso! Espero que não tenha convencido ninguém! Penso até, que quem o ouviu,ainda se estará a rir, por comparação tão disparatada!