Tempo
|
A+ / A-

Central nuclear de Almaraz usa peças com falhas de qualidade

16 set, 2016 - 11:10

A denúncia parte do Conselho de Segurança Nuclear de Espanha. A organização ambiental Greenpeace pede o encerramento.

A+ / A-
Central nuclear de Almaraz: uma "bomba atómica" na margem do Tejo
A Renascença esteve em Almaraz em Abril. Reveja a reportagem seleccionada para o festival "Cine Eco", a decorrer em Outubro, em Seia

O Conselho de Segurança Nuclear espanhol revelou que a central de Almaraz, colada à fronteira portuguesa, usa peças produzidas numa fábrica com irregularidades nos “dossiers” de controlo de qualidade, mas garantiu que não constituem motivo para as retirar de funcionamento.

Além da central de Almaraz (Cáceres, a 100 quilómetros de Portugal), também a central de Ascó (Tarragona, Catalunha) utiliza nos seus reactores peças produzidas numa forja da fábrica francesa Le Creussot, fornecedora da AREVA. As irregularidades foram detectadas, em Abril, nos “dossiers” de fabricação da forja usada para produzir os componentes mais tarde usados nos reactores destas duas centrais.

Na prática estas irregularidades consistem “em discrepâncias, modificações ou omissões nos parâmetros de fabricação ou nos resultados dos ensaios obtidos, e que não estavam reflectidas nos ‘dossiers’ de fabricação dessas peças”, indicou o CSN num comunicado divulgado quinta-feira.

Em concreto, as pecas provenientes da forja com irregularidades foram usadas para fabricar os geradores de vapor 2 e 3 da unidade 1 e o gerador de vapor 3 da unidade 2 da central nuclear de Almaraz, bem como os geradores de vapor 1 e 2 da unidade 1 e o gerador de vapor 1 da unidade 2 da central nuclear de Ascó. Também está em causa o rebordo da tampa do reactor da unidade 2 de Almaraz.

Estas peças têm uma composição química (em percentagem dos metais que as compõem) diferente dos vários registos realizados durante o processo de forja.

“Encontraram-se dados diferentes sobre o conteúdo, em percentagem, de elementos como o alumínio e o manganês, nem sempre dentro do intervalo definido na especificação de compra. Ainda assim, os valores registados em todos os casos estavam dentro dos limites especificados no código usado na fabricação (código ASME)”, indicou o CSN.

Greenpeace pede encerramento

De acordo com a investigação da CSN, tanto a empresa espanhola Equipos Nucleares – que adquiriu os componentes à forja com irregularidades – como a AREVA – que forneceu os geradores de vapor – como a Westinghouse – que forneceu a tampa do reactor nuclear de Almaraz – concluíram (através de testes de metalografia) que estas irregularidades no programa de controlo de qualidade “não têm impacto na integridade estrutural dos componentes mencionados”.

Assim, e “face à informação existente até à data”, a Direcção Técnica de Segurança Nuclear “conclui que os componentes afectados são aceitáveis para que continuem a funcionar sem restrições”.

Já a organização ecologista Greenpeace considera que o comunicado do CSN “confirma que as centrais de Almaraz e Ascó operam com peças de qualidade defeituosa”, pelo que “manifesta a sua falta de confiança na Direcção Geral de Segurança Nuclear” espanhola.

A Greenpeace reitera ainda o apelo para que as autoridades políticas de Espanha não “prolonguem a vida das centrais nucleares” e reforça que se devem manter os mais “apertados controlos de segurança”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Nuclear nunca
    05 jan, 2017 lLISBOA 12:50
    A MORTE VEM DA ESPANHA- CENTRAL NUCLEAR ESPANHOLA DE ALMARAZ
  • Anónimo
    16 set, 2016 Sintra 16:06
    @LUIS - sim, realmente e tendo em conta a corrente de água do Tejo e/ou os ventos capazes de transportar a radiação, 100 Kms é, mesmo, muito longe e não se pode dizer que esteja "colada"...só espero que, se um dia houver um acidente e oxalá que não venhamos a viver tal experiência, o LUIS não esteja nos outros 100 Kms após esses tão "longínquos" iniciais.
  • alvega
    16 set, 2016 paris 15:02
    Nâo esquecer, que nuvens radioactivas provenientes da Central de Tchernobyl abril de 1986 ( Ucrânia )surgiram no sul-est da França direçâo ao Norte, nos dias seguintes a este acidente Nuclear.
  • desatina carreira
    16 set, 2016 queluz 14:33
    quando rebentar ninguém escapa
  • M.C.
    16 set, 2016 M.Grande 13:43
    Não adianta alertar. Se um dia acontecer uma tragédia, vão morrer uns milhares de inocentes. Depois as autoridades competentes mandam fazer rigorosos inquéritos ao sucedido para apurar responsabilidades. Cinco ou dez anos depois nada aconteceu, nada se saberá sobre esses inquéritos e pronto. Está tudo bem.
  • Luis
    16 set, 2016 Londres 13:09
    Colada a fronteira é um pouco diferente de a 100km da fronteira :/