Tempo
|
A+ / A-

Bloco diz que novo imposto sobre património imobiliário exclui "toda a classe média"

15 set, 2016 - 09:18

Novo imposto vai incidir, sobretudo, em titulares de património de luxo, diz Mariana Mortágua.

A+ / A-

A deputada do Bloco de Esquerda Mariana Mortágua assegurou que o novo imposto sobre o conjunto do património imobiliário que está a ser desenhado vai excluir “toda a classe média” e incidir, sobretudo, em titulares de património de luxo.

Em declarações à agência Lusa, Mariana Mortágua explicou que se trata de uma taxação adicional para património imobiliário de elevado valor, embora não esteja ainda fechado o montante a partir do qual incidirá a tributação. “Mas que nunca será inferior a 500 mil euros”, garantiu.

“Esta medida está a ser desenhada para ser uma forma de imposto sobre grandes fortunas, neste caso, grandes fortunas imobiliárias. Vai haver um limite que vai deixar de fora todas as pessoas com uma casa, duas casas, que formam a classe média. Não é uma medida para atingir as famílias normais que compraram a sua casa”, explicou a deputada.

Mariana Mortágua acrescentou que o novo imposto não irá, igualmente, atingir empresas com “património que serve para fins produtivos, seja empresas que têm prédios ou fábricas que serve para produzir coisas, que fazem parte da indústria e que têm uma função económica”.

“Não é taxar esse tipo de património, que não serve para acumulação de riqueza, está a servir um propósito produtivo, que deve ser incentivado, e não taxado”, frisou.

O acordo foi alcançado âmbito do grupo de trabalho da fiscalidade, um dos grupos criados pelo acordo assinado entre o PS e o Bloco de Esquerda, que garante apoio ao Governo.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • O que era já não é
    22 set, 2016 Santarém 22:26
    Estes impostos são roubos. Ó costa essa coisa da austeridade é para continuar.
  • Rosa Mateus
    20 set, 2016 Mirandela 14:57
    óh mortagua! porque não fazes como o teu pai, entras roubas e vais embora.No prec era assim,agora não perdias tempo a fazer decretos. Poupavas tempo e o dinheiro era limpo,sem imposto. O que estranho é os partidos de direita perderem tempo a falar nesta mulher,penso que é.mas vou tentar saber através de uma bastonária,que me poderá informar melhor.Mas a direitas valorizar o que uma aprendiz de economia e finanças,talvez auto-didata , ou então porta voz do pestilento fininho, que respira raiva por todos os poros por aqueles que vivem com mais dinheiro do que ele da profissão de professor, porque trabalham 16 ou 18 horas por dia e este fininho dá duas aulas por dia e ganha uns milhares de euros por mês,fica raivoso.Fas-te à vida e em vez de andares a gastar as cadeiras que ocupas nessas tertúlias Lisboetas,vai trabalhar mais horas para o campo ou outra forma generosa de ganhares mais uns euros e vais ver que a raiva te passe.Quanto à mortágua não lhe dou troco,porque não reconheço nela nada que me obrigue a dar-lhe publicidade e muito menos conhecimento. ~es
  • José Manuel Fernande
    15 set, 2016 Mem Martins 23:43
    O pai roubou o banco de Portugal a filha os. Portugueses totalmente correcto
  • Luis
    15 set, 2016 Lisboa 22:16
    Os comentadores Pafiosos continuam azedos e muito activos. Tenham calma porque os resultados das próximas sondagens ainda vão ser piores.
  • joao
    15 set, 2016 lisboa 18:10
    Andaram a anunciar o fim da " austeridade " e agora passam a vida a aumentar impostos ? Ainda há quem vá nesta conversa...?
  • Manuel
    15 set, 2016 LX 16:40
    Não há qualquer dúvida. O BE é que está a governar! Neste momento o que temos é um governo tipo teatro de Robertos. Marionetas manipuladas pela esquerda radical. Tudo isto por temos alguém que quis ir para o poleiro mor sem ter ganho eleições.
  • zé Tuga
    15 set, 2016 Conchinchina 16:02
    Empresários com muito dinheiro devem investir fora de Portugal, seja em empresas ou em bens de luxo. Portugal tem ódio dos ricos, acho que este governo deve trazer para aqui 1 milhão de refugiados porque nada tem, por isso devem ser bem vindos, temos espírito de "vira latas" .
  • Eborense
    15 set, 2016 Évora 15:34
    Obrigado irmã Mortágua..obrigado...obrigado! Só uma pergunta. Eu tenho carro e preciso dele para trabalhar. Como me considero, por enquanto, da classe média, a irmã também não vai aumentar o imposto sobre os combustíveis? E já agora, não querendo maçá-la muito só mais uma pergunta. A minha casa está virada para o Sol. Será que a irmã também não vai aumentar o meu IMI? Muitas felicidades para a sua governação e da sua camarada e 1ª Ministra, Catrina! Bem haja.
  • 15 set, 2016 aldeia 15:31
    Não temos saída.....temos um garrote tão apertado,que o país não consegue respirar,não há dinheiro que chegue para pagar os juros,do trika,da UE,do fmi,do descalabro da banca,de tanto roubo etc.....Como é que um país pequeno como Portugal,pode crescer?como é que pode dar um futuro melhor ás novas gerações?Não está em causa se é o PS,se é o PSD,o CDS,ou outros quaisquer partidos,o problema foi terem-nos empurrado para o euro,onde os grandes grupos económicos e algumas personalidades ganharam muitos milhares de milhões,agora estamos não mão da UE,de Bruxelas,da Alemanha etc.....etc.....,Como dar a volta? vai ser difícil mas não impossível, é preciso determinação,coragem e patriotismo,mas todos estes predicados estão em extinção,hoje....é mais ...ganância,poder,corrupção,mentira.
  • Cubano
    15 set, 2016 Coimbra 15:30
    Mas até quando é que tenho que levar com a versão sonsa do Maduro? Se as pessoas não se revoltarem a tempo a Venezuela está à porta. Os Cubanos já levam mais de 50 anos deste "paraíso" Claro que este comentário não vai passar. Não está na moda. Mas as modas passam.