Tempo
|
Três por Todos - Assista ao direto Três por Todos - Participe nos leilões
Tudo sobre o EURO 2020 Últimas Notícias
Tudo sobre o EURO 2020 Últimas Notícias
A+ / A-

"O que cura e salva é a relação". O hospital para além dos bisturis e dos medicamentos

14 set, 2016 - 23:45 • Inês Rocha , Paulo Ribeiro Pinto

O capelão do maior hospital do país conta como o seu trabalho vai para além de levar um simples "produto religioso" aos doentes. O segredo, diz, é a relação.

A+ / A-
"O que cura e salva é a relação". O hospital para além dos bisturis e dos medicamentos
"O que cura e salva é a relação". O hospital para além dos bisturis e dos medicamentos

Capelão há quatro anos no Hospital de Santa Maria em Lisboa, o maior do país, o padre António Monteiro acredita que o tratamento dos utentes vai para além do bisturi e dos medicamentos.

"O que cura e salva é a relação", afirma o sacerdote, lembrando que a definição de "saúde" da própria Organização Mundial de Saúde olha para a pessoa na sua "integralidade", em vez de se focar apenas na cura dos sintomas físicos.

No pico de actividade, o Santa Maria pode ter em simultâneo perto de 25 mil pessoas a trabalhar. O padre António não quer ser apenas mais uma. O seu trabalho vai muito para além de celebrar missa ou de ministrar a Extrema-Unção aos doentes.

Num dia inteiro, conta, passa apenas uma hora na capela. "O tempo é todo dispensado na visita, na escuta. Se conseguirmos dar espaço às pessoas, somos uma presença diferenciada", diz. "Se nos preocuparmos em levar um produto religioso, acabado, possivelmente vamos ser mais um entre os 25 mil que trabalham no hospital."

Este é um dos muitos testemunhos no encontro da Pastoral Social a decorrer em Fátima até esta quinta-feira. Este ano, os participantes analisam a encíclica do Papa Francisco, "Laudato Si", no ano que a Igreja dedica à Misericórdia.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Maria Fernanda
    30 set, 2016 vizela 13:53
    Ouvi ,gostei e aprendi .A doença as vezes não é um mal maior.O amor apalavra amiga ás vezes faz milagres. Que Deus ajude sempre a ser quem és. Um abraço.

Destaques V+