Tempo
|
A+ / A-

Entrevista

Ministro da Educação à Renascença: Sucesso escolar é aposta para o novo ano lectivo

12 set, 2016 - 07:00 • Manuela Pires

Os programas para a promoção do sucesso escolar visam "atacar logo no início esses problemas", argumenta o ministro da Educação, em entrevista à Renascença. Há 600 programas preparados para um universo a rondar os 800 agrupamentos.

A+ / A-

Veja também:


O ministro da Educação garante que todos os alunos que frequentavam os colégios com contrato de associação e que ficaram sem turma têm lugar garantido na escola pública.

Em entrevista à Renascença, no começo do ano lectivo, Tiago Brandão Rodrigues anuncia o arranque de obras nas escolas e fala da grande prioridade do Ministério: os programas de promoção do sucesso escolar que arrancam este ano lectivo em 600 agrupamentos.

Brandão Rodrigues diz ainda que o financiamento do ensino especial é uma questão para ser resolvida mais rapidamente do que tem, sido habitual.

Este ano, vai ficar marcado pelo arranque de 600 planos de acção para promoção do sucesso escolar, desenvolvidos pelas escolas, em função das suas necessidades e estratégias. Em que é que se traduzem estes planos, mais autonomia?

Este programa nacional de promoção do sucesso escolar que foi lançado pelo Ministério da Educação é um dos pilares da nossa actuação. O diagnóstico é claro: temos um abandono escolar precoce que nos preocupa, de quase 14%. Temos 35% dos jovens com 15 anos que contam já com pelo menos uma retenção. E nós sabemos, claramente, que a retenção provoca retenção, logo, temos de interromper estes ciclos. Estes programas atacam logo no início esses problemas e temos de ver que as escolas estão inseridas numa comunidade e é através daí que podemos ter uma resposta para cada um dos problemas de insucesso.

Nós temos de agir ao primeiro sinal de dificuldade, melhorando as aprendizagens, tendo em conta que cada um dos agrupamentos é diferente. Temos de fazer com que as escolas trabalhem para haver uma convergência com as autarquias, para que o plano possa alterar as práticas em sala de aula. Com muitas medidas que podem passar pela supervisão pedagógica por pares, a mentoria entre alunos, mas, acima de tudo, actuar no primeiro momento quando surgem as dificuldades.

Estes 600 planos de acção estão espalhados por todo o país?

Temos 811 agrupamentos em todo o país e, quando estamos a falar em 600, estamos a falar na universalização porque os TEIP (Territórios Educativos de Intervenção Prioritária) já estavam abarcados. No fundo, estamos a falar de quase todo o território de Portugal continental com programas de promoção do sucesso escolar.

O anterior Governo travou as obras, muitas delas em curso. Vão ser assinados novos acordos, já esta segunda-feira. Quais as prioridades?

Quando este Governo tomou posse, já existia o mapeamento para que os programas operacionais regionais pudessem financiar obras desta natureza. Nós trabalhamos com as autarquias para permitir a execução dos fundos disponíveis no Portugal 2020. O modelo de execução é estável para promover a equidade territorial e conseguimos cumprir o objectivo de iniciar as obras. Vamos, esta segunda-feira, assinar com a comunidade intermunicipal do Alto Minho os primeiros acordos com nove dos dez municípios para que as obras comecem o mais rapidamente possível. Ao longo das próximas semanas serão assinadas acordos com autarquias do resto do país para que todas as obras que eram necessárias possam avançar.

Neste momento, já temos 117 projectos prontos a arrancar, temos 74 municípios neste programa, que engloba 70% do investimento previsto.

Outro tema polémico que marcou o ano, a não abertura de novas turmas de início de ciclo nos colégios com contratos de associação. Esses alunos têm todos lugar garantido na escola pública?

Claramente, todos aqueles que quiseram ir para a escola pública. As famílias é que escolheram. O que nós fizemos este ano foi contratualizar com escolas privadas, onde era necessário e onde não havia redundância de oferta. No fundo, também era importante alocar recursos, dinheiro que pode ser canalizado para obras nas escolas, para a contratação de assistentes operacionais que faltam nas escolas.

Os 11 colégios com ensino especial já começaram as aulas, mas ainda não receberam financiamento para este ano lectivo. O ano passado receberam em Fevereiro. Quando é que a situação vai estar regularizada?

Muito mais cedo do que isso. Estamos neste momento a preparar tudo para efectuar esse pagamento para que esses colégios possam desenvolver a sua actividade com toda a normalidade.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • viva o xuxialismo!
    12 set, 2016 Santarém 23:55
    Claro que vai ser um sucesso, no final do ano escolar manda sair do seu ministério um decreto lei declarando o sucesso e fica tudo em pratos limpos; enquanto o ensino andar ao sabor de ideologias politicas e não houver um entendimento alargado e duradouro entre políticos, professores, pais e alunos nunca mais haverá estabilidade nem sucesso numa coisa que cada vez mais cada um puxa a brasa à sua sardinha e a incompetência parece ser rainha, o próprio presidente da república ainda hoje chamou a atenção para este e outros casos como saúde e outros apontando nesta direção.
  • FT
    12 set, 2016 Vila Nova de Gaia 17:36
    Sucesso escolar por decreto. O ministério manda passar de ano crianças com sete negativas no 3º período ( os professores votam as notas e passam as negativas a positivas e os meninos passam). Formam analfabetos, mas na realidade é isso que se pretende. Os pais dos menino(a)s ficam muito contentes e ainda dão umas prendinhas ao filhos pela excelente recuperação.
  • maria dias
    12 set, 2016 amadora 12:51
    Na escola Roque Gameiro da Amadora, as Turmas do 8º ano são de 30 alunos . Será que vai haver sucesso escolar ?... não me parece. isto é que são as reformas da escola pública. Nas salas desta escola os alunos tropeçam nos tacos do chão que estão soltos. o telhado da escola é coberto com placas de Lusalite nocivas à saúde humana.
  • Fausto
    12 set, 2016 Porto 10:00
    A sério? Prioridade? Não me digam. Era suposto não ser?
  • Nuno
    12 set, 2016 Canberra, Australia 08:02
    Estes politicos sao taaaaaaaaaao engracados. Daquelas bocas so saem disparates. Como se o problema do (in)sucesso escolar fosse ser resolvido so porque eles o apontam como prioridade. Para resolver esta questao tem que resolver muitas outras em primeiro lugar e, mesmo que comecem agora vai demorar uma decada ate surgirem resultados. E so areia para os olhos.

Destaques V+