A+ / A-

Ensino Superior. Quase 43 mil alunos colocados

11 set, 2016 - 00:40

Há uma subida em relação a 2015. 60% dos cursos esgotaram as vagas, mas 45 não interessaram a ninguém e a medicina já não é o que precisa de nota mais alta.
A+ / A-

A 1.ª fase do concurso de acesso ao ensino superior público colocou 42.958 novos alunos nas universidades e politécnicos, um aumento de 2,1% em relação à mesma fase, em 2015, segundo dados da Direcção-Geral do Ensino Superior (DGES).

Os quase 43 mil colocados em 2016, comparados com os 42.068 do ano anterior, traduz-se em mais 890 estudantes que conseguem lugar na 1.ª fase, face a 2015. Este ano houve na 1.ª fase mais 133 vagas a concurso do que em 2015.

Os dados da DGES divulgados este domingo, que podem ser consultados aqui, mostram que 51% ficaram colocados na sua 1.ª opção, sendo 84% a percentagem dos que conseguiram lugar numa das primeiras três opções.

A 1.ª fase registou 49.472 candidatos a 50.688 vagas, tendo ficado por preencher 8.022 lugares, 16% das vagas iniciais que ficam agora disponíveis para a 2.ª fase do concurso nacional de acesso.

A percentagem de colocações em 2016 é igual à do ano anterior, fixando-se nos 87%.

Numa divisão por subsistemas, 66,2% ficou colocado numa universidade, 33,8% num politécnico.

60% dos cursos esgotaram, 45 não tiveram qualquer aluno

Dos 1.060 cursos superiores disponíveis nas universidades e politécnicos públicos, 60% não deixaram qualquer vaga por preencher na 1.ª fase de acesso, mas 45 não tiveram qualquer aluno colocado.

De acordo com os dados hoje divulgados pela Direcção-Geral do Ensino Superior (DGES), há 635 cursos que não deixaram vagas para a 2.ª fase do concurso nacional de acesso.

No entanto, 45 cursos superiores não tiveram qualquer procura, maioritariamente nos politécnicos do interior do país, e na área de engenharia.

Segundo os dados da DGES, há 191 cursos com menos de dez vagas preenchidas, incluindo-se aqui os 45 que ficaram desertos na 1.ª fase.

Se estes cursos não tiverem, até ao final do ano lectivo, dez novos alunos matriculados, independentemente da via de acesso, correm o risco de ser encerrados, de acordo com as regras para a fixação de vagas em vigor.

No que diz respeito a áreas de formação, engenharias e técnicas afins, saúde e ciências empresariais lideram a lista de maior número de colocações.

Artes e ciências sociais do comportamento são outras duas áreas com um número elevado de colocações, acima dos três mil cada.

Houve ainda mais de mil colocados em cursos de formação de professores.

Serviços de segurança, serviços de transporte, agricultura, silvicultura e pescas e indústrias transformadoras são as áreas com menor número de alunos colocados, o que não significa que sejam áreas sem procura: serviços de transporte, por exemplo, preencheu as 83 vagas levadas a concurso, e foi primeira opção de 102 candidatos.

Engenharia e técnicas afins continua a ser a área que mais vagas disponibiliza no concurso nacional de acesso ao ensino superior, tendo levado à 1.ª fase 9.108 lugares.

Engenharias ultrapassam Medicina

O curso de Medicina foi este ano destronado como o detentor da média de entrada no ensino superior mais elevada, sendo os três primeiros lugares na lista ocupados por cursos de engenharia.

Os cursos de Engenharia Física Tecnológica e de Engenharia Aeroespacial, no Instituto Superior Técnico da Universidade de Lisboa, ambos com média de 18,53 valores, e o curso de Engenharia e Gestão Industrial, na Universidade do Porto, com nota de entrada de 18,48 valores, foram este ano os três cursos com a média de entrada mais elevada na 1.ª fase do concurso nacional de acesso ao ensino superior.

Segundo os dados da DGES, houve este ano na 1.ª fase de acesso ao ensino superior oito cursos com média de entrada superior a 18 valores: aos já citados juntam-se Medicina no Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar, da Universidade do Porto (18,25), Medicina na Universidade do Minho (18,17) Bioengenharia, na Universidade do Porto (18,2) e Matemática Aplicada e Computação, no Instituto Superior Técnico (18,05).

Do lado dos cursos com médias mais baixas, há 38 cursos com notas de entrada iguais ou superiores a 9,5 valores e inferiores a 10 valores, com 824 estudantes a ficarem colocados com notas de entrada compreendidas neste intervalo.

Os resultados da 1.ª fase do concurso nacional de acesso ao ensino superior estão desde hoje disponíveis em www.dges.mctes.pt.

A 2.ª fase do concurso decorre de 12 a 23 de Setembro, para os candidatos que não conseguiram lugar na 1.ª fase, para colocados que queiram mudar de curso ou de instituição.

Os resultados da 2.ª fase serão divulgados a 29 de Setembro.


legislativas 2019 promosite
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • a
    11 set, 2016 A 16:37
    Alguém vai ter que pagar!