Tempo
|
A+ / A-

Saiba onde estão localizadas as instalações mais poluentes de Portugal

26 ago, 2016 - 07:00

A associação ZERO elaborou duas listas que identificam as 20 instalações que mais contaminam o ar e a água.

A+ / A-

A Central Termoeléctrica de Sines e a ETAR de Matosinhos são as instalações mais poluentes de Portugal, de acordo com os rankings da ZERO - Associação Sistema Terrestre Sustentável.

Com base em dados públicos disponibilizados pela Agência Europeia do Ambiente (AEA), a ZERO elaborou duas listas que identificam as 20 instalações que mais contaminam o ar e a água.

No ranking das emissões atmosféricas o “campeão” é a Central Termoeléctrica de Sines, da EDP, que alcançou uma pontuação de 8,42 nos critérios aplicados pelos ambientalistas.

Em 280 instalações analisadas, a Central Termoeléctrica de Sines foi a primeira em emissões de dióxido de carbono, fluoretos e compostos inorgânicos de flúor, mercúrio e dioxinas e furanos – PCDD+PCDF; a segunda em óxidos de azoto; e a terceira em cloro e compostos inorgânicos de cloro, óxido nitroso e óxidos de enxofre.

A ZERO explica, em comunicado, que no caso desta instalação EDP estão em causa “emissões de poluentes ‘tradicionais’, nomeadamente gases com efeito de estufa” e, também, poluentes “extremamente tóxicos como as dioxinas e furanos”.

O complexo industrial da Portucel de Setúbal ocupa a segunda posição da lista das emissões atmosféricas, com 7,52 pontos, e a fábrica da Portucel de Cacia, em Aveiro, está no terceiro lugar, com 6,45 pontos.

“No caso destas duas fábricas de pasta de papel, há poluentes comuns como as partículas, mas também poluentes específicos como os hidrofluorcarbonetos que são poderosos gases com efeito de estufa, os hidroclorofluorcarbonetos que danificam a camada de ozono ou poluentes com elevada toxicidade, considerados como potencialmente mutagénicos e carcinogénicos, como o benzeno ou os HAP”, adverte a associação ZERO.

O “top cinco” das emissões para a atmosfera é fechado pela fábrica da Unicer de Leça do Balio e pela cimenteira Cimpor de Alhandra.

No campeonato das emissões para o meio aquático as três primeiras posições são ocupadas por estações de tratamento de águas residuais.

A que mais polui é a ETAR de Matosinhos, seguida de Alcântara, em Lisboa, e da ETAR de Ribeira de Moinhos, em Sines, concelho que tem a instalação com mais emissões para a atmosfera.

As estações de Matosinhos e Alcântara estão associadas predominantemente a efluentes domésticos e a de Sines a efluentes industriais.

“Nos dois primeiros casos reflecte-se um peso significativo de poluentes habituais como o azoto e fósforo causadores de eutrofização, sendo significativa a presença de metais pesados e poluentes orgânicos persistentes com toxicidade elevada. De salientar que, relativamente à ETAR de Matosinhos, Portugal está a sofrer sanções por falta de cumprimento da directiva relativa às águas residuais urbanas”, sublinha a ZERO.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • poluem tanto que nue
    26 ago, 2016 Olhão 21:48
    E onde estão as ETARs da Ria Formosa das Aguas do Algarve que poluem tanto, que desde há 2 anos não publicam resultados? Zero na senda da lavagem que a Quercus fez durante anos e anos????
  • Bruno
    26 ago, 2016 Seixal 11:10
    Onde está a Siderugia Nacional ? Artigo ridículo ....
  • Joao Oliveira
    26 ago, 2016 Dublin 09:34
    Poluentes, mas bastante importantes para a economia nacional. Muitas tem um importante peso na economia, criam bastantes postos de trabalho (alguns deles bem pagos, como nas refinarias). Certamente algo mais pode ser feito para reduzir o seu impacto ambiental, mas desde que se valorize a sua importancia nas comunidades que servem.
  • VFerreira
    26 ago, 2016 Lisboa 09:04
    Existem meios técnicos para se poder evitar certas situações de poluição, estas entidade podem reduzir bastante essa situação se assim o entendam, aliás os seus lucros existentes permitiam isso se houvesse uma obrigatoriedade nesse sentido.
  • Mafurra
    26 ago, 2016 Lisboa 08:52
    Sabe-se quem são os grandes poluidores. E os governos continuam a permitir este crime em nome dos "mercados" ! ! !
  • filipe
    26 ago, 2016 paio pires 07:49
    A Siderurgia Nacional na Aldeia de Paio Pires e o Seixal foi considerada como uma das mais poluídas da Europa e nem aparece aí. Venham morar para cá!!! Dou um ZERO ao artigo.