RR
|
A+ / A-

Adros e jardins de paróquias de Braga têm que pagar IMI

19 ago, 2016 - 16:10 • Rosário Silva e Redacção

Dezenas de paróquias do país estão a receber notificações do Ministério das Finanças para pagamento do IMI.

A+ / A-

Nunca o Fisco tinha notificado tanto as paróquias para pagar IMI (Imposto Municipal sobre Imóveis), afirma o vigário-geral da diocese de Braga, que confirma, pelo menos, 20 casos recentes.

“Igrejas, adros, presidências paroquiais, jardins logradouros, coisas que estão descritas na isenção do artigo 26 [da Concordata]. Evidentemente, se há bens arrendados, ninguém questiona, paga-se sempre o IMI. Mas nos espaços ligados à evangelização, como residências paroquiais ou jardins, não aceitamos”, defende Valdemar Gonçalves.

Dezenas de paróquias do país estão a receber notificações do Ministério das Finanças para pagamento do IMI relativos a bens e equipamentos com fins sociais, que, por isso, estão isentos pela Concordata.

O cónego Valdemar Gonçalves diz à Renascença que esta quantidade de notificações da Autoridade Tributária nunca tinha acontecido na diocese.

“Neste momento levantou-se um grande problema porque temos casos registados nos computadores a quem nós passamos declarações em como estão isentos. Mas também há muitos sacerdotes que se dirigiram às repartições de Finanças e passaram-lhes a declaração de isenção. É este o quadro na nossa diocese, há muitas questões no ar”, diz.

O vigário-geral da diocese de Braga levanta dúvidas sobre a intenção do fisco em notificar as paróquias em pleno período de férias. “Passam a carga da prova para o lado dos sacerdotes, se algum está de férias e se houver algum desmazelo, a isenção vai pelo ar, pois têm apenas 15 dias para provar”.

A Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) já admitiu pedir explicações ao Estado por esta atitude "abusiva".

À Renascença, o bispo de Setúbal, D. José Ornelas, acusou o Estado de “má-fé”. Também Álvaro Bizarro, que participou na elaboração da Concordata, criticou a vontade “sôfrega” do Estado de colectar impostos.

“Desrespeito”

Na Arquidiocese de Évora ainda não estão contabilizadas quantas das suas 156 paróquias já foram notificadas pelo fisco, mas o vigário geral diz à Renascença que já há “uns quantos” casos, situação que tem conduzido a alguma estranheza junto dos párocos.

“Aqui as notificações incidem, nalguns casos, em igrejas e outros edifícios que estão afectos ao culto, quando a Concordata a isso isenta”, refere o cónego Eduardo Pereira da Silva, lembrando que o IMI aplica-se às casas que “estão arrendadas e geram lucro”. Nesses casos, “a Igreja paga os seus impostos”.

Para ajudar os sacerdotes, a diocese, à semelhança de outras, criou uma minuta que deve servira de resposta a essas notificações.

Em caso de desconhecimento, os párocos são aconselhados a não proceder ao pagamento sem primeiro estarem na posse de toda a informação.

“O conselho que estamos a dar é que não paguem pois não há motivos legais para o fazer. É um desrespeito pela lei da Concordata, que é internacional, e que o Estado tem obrigação de respeitar”, lembra Eduardo Pereira da Silva.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Madeira Gil
    29 ago, 2016 Chamusca 20:01
    Se eu tiver um jardim pago IMI e a Igreja não paga porquê? Vão rezar na relva é?
  • Silvério
    19 ago, 2016 Porto 19:44
    Que falem com o vígaro do Costinha, irmão de S. Bento.
  • L.M:R.O
    19 ago, 2016 Centro 19:25
    Eu também pago....