Tempo
|
A+ / A-

António Ramalho já manda no Novo Banco

19 ago, 2016 - 16:34

BCE aprovou nome do sucessor de Stock da Cunha.

A+ / A-

O sucessor de Eduardo Stock da Cunha na liderança do Novo Banco, António Ramalho, iniciou esta sexta-feira funções no banco de transição, depois de o Banco Central Europeu (BCE) ter aceitado a escolha do Banco de Portugal.

"O Novo Banco informa que o Banco Central Europeu confirmou, hoje, a designação do Dr. António Manuel Palma Ramalho para o cargo de presidente do Conselho de Administração do Novo Banco com funções executivas, conforme deliberação do Banco de Portugal, com base em proposta do Fundo de Resolução", lê-se num comunicado do Novo Banco.

De acordo com o documento, disponibilizado na Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), "António Ramalho assume hoje as suas funções" no banco de transição.

O Novo Banco está entretanto no segundo processo de venda, depois de o primeiro processo ter sido suspenso em setembro passado, com o Banco de Portugal a considerar que nenhuma proposta era interessante.

De momento foram quatro as propostas recebidas – dos bancos BCP e BPI e dos fundos Apollo/Centerbridge e Lone Star, tendo o processo de estar concluído no máximo até Agosto de 2017.

Segundo a Lusa, os analistas que seguem o sistema bancário têm dito que o mais provável é que a venda do Novo Banco seja feita bem abaixo dos 4,9 mil milhões de euros que foram injectados na instituição, colocando pressão sobre o resto do sistema bancário, que poderá ter de arcar com os custos.

O futuro do Novo Banco, que está em processo de reestruturação, tendo saído mais de mil trabalhadores da instituição só nos últimos 12 meses, é uma incógnita.

Em Julho, numa carta para a Comissão Europeia, o Governo garantiu que não iria injectar mais dinheiro e que se o banco não for vendido será liquidado.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+