A+ / A-
CDS e PSD

Diz que é uma "espécie de conferência de imprensa" sobre a Caixa

22 jun, 2016 - 17:14

Explicações do ministro das Finanças sobre o processo de recapitalização da Caixa Geral de Depósitos foram considerados insuficientes pela oposição. Centeno não revelou números e insiste em esperar pelo fim das negociações com Bruxelas.
A+ / A-

O porta-voz do CDS-PP anunciou esta quarta-feira que vai entregar um requerimento para que o ministro das Finanças, Mário Centeno, responda no Parlamento sobre a Caixa Geral de Depósitos, considerando que se esgotaram as oportunidades de transparência do executivo.

"O CDS entende que não há mais tempo. O Governo teve hoje [quarta-feira] a última oportunidade para ser transparente neste processo, por isso, vamos ainda hoje dar entrada de um requerimento para ouvir com urgência o senhor ministro das Finanças na comissão de Orçamento e Finanças para esclarecer os contornos deste processo", anunciou João Almeida, aos jornalistas.

João Almeida disse ainda que "não é verdade que o CDS tenha sido consultado para a escolha do novo presidente da Caixa Geral de Depósitos, conforme foi dito pelo ministro das Finanças", mas apenas "informado da intenção" do Governo "quando a notícia tinha acabado de ser pública".

O porta-voz centrista falava no Parlamento após a conferência de imprensa do ministro das Finanças, Mário Centeno, cujos esclarecimentos considerou insuficientes.

"Aquilo que ficámos a saber é que haverá reduções de pessoal e encerramento de agências, confirmando algumas das notícias que tinham vindo a público. Sobre valores, sobre 'timings', sobre aquilo que é relevante do ponto de vista do défice e da dívida, não houve qualquer informação da parte do Governo", disse.

João Almeida defendeu que "não são os partidos que apoiam o Governo que têm direito a saber, são os portugueses e a maneira de os portugueses saberem o que está em causa é o parlamento".

"O senhor ministro das Finanças disse na conferência de imprensa que as linhas gerais do processo tinham sido comunicadas aos partidos e grupos parlamentares que apoiam o Governo. Há portugueses que votaram nesses partidos e há portugueses que votaram noutros partidos, todos eles pagam impostos e é o dinheiro de todos que vai servir para capitalizar a Caixa Geral de Depósitos", argumentou.

Para o porta-voz do CDS, "percebeu-se que o Governo, até o Governo, já chegou à conclusão que a gestão deste processo é totalmente inaceitável".

"O que se está a fazer é decidir como aplicar uma verba substancial dos impostos dos portugueses sem que o Parlamento e os portugueses saibam os termos e as razões para essa aplicação de capital. Serão quatro ou cinco mil milhões de euros, o que está em causa aqui é a transparência do processo e sobre isso esta conferência de imprensa não acrescentou absolutamente nada", declarou.

Uma “espécie de conferência de imprensa”

Por seu lado, o deputado do PSD António Leitão Amaro diz que a comunicação do ministro das Finanças foi uma “espécie de conferência de imprensa” e que não serviu para dar resposta a nenhuma das questões fundamentais sobre o processo de recapitalização da Caixa: quanto dinheiro vai ser injectado, quantos trabalhadores serão dispensados e qual o futuro da CGD.

Para o PSD, esta falta de informação só reforça a necessidade da comissão de inquérito já anunciada. Em declarações aos jornalistas, no Parlamento, o deputado disse que Mário Centeno "tornou ainda mais indispensável a realização de uma comissão parlamentar de inquérito à CGD".

O social-democrata referiu que, nos termos da lei, o inquérito parlamentar à CGD da iniciativa do PSD deve iniciar os seus trabalhos 8 dias depois da sua formalização, que aconteceu na segunda-feira. "Esperamos que a primeira reunião possa ocorrer já na próxima semana", acrescentou.

Questionado sobre as audições do ministro das Finanças e do governador do Banco de Portugal propostas pelo CDS-PP e pelo PS, respectivamente, António Leitão Amaro concordou com essas audições, mas defendeu que "a comissão parlamentar de inquérito é o lugar certo".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Rui
    22 jun, 2016 Lisboa 23:19
    O leitão disse mesmo como esta escrito ? "ministra das finanças"