Tempo
|
A+ / A-

​Marcelo e Costa preocupados com lesados do BES que "ficaram sem poupanças"

11 jun, 2016 - 11:56 • Eunice Lourenço , enviada especial a Paris

Num discurso perante a comunidade portuguesa em Champigny, o primeiro-ministro afirmou que o Governo e o Presidente da República não podem sobrepor-se à justiça, mas estão empenhados numa solução.

A+ / A-
Lesados do BES levam o seu protesto a Costa e Marcelo
Lesados do BES levam o seu protesto a Costa e Marcelo

O Presidente da República e o primeiro-ministro manifestaram, em Paris, a sua preocupação em relação ao problema dos lesados do BES, que levaram este sábado o seu protesto a Marcelo Rebelo de Sousa e a António Costa.

Num discurso perante a comunidade portuguesa em Champigny, António Costa afirmou que o Governo e o Presidente da República não podem sobrepor-se à justiça, mas estão empenhados numa solução.

O primeiro-ministro disse que o Presidente da República acompanha o Governo na preocupação de criar mecanismos de diálogo e negociação para que os cerca de dois mil lesados do papel comercial do GES sejam ressarcidos.

"Não compete ao Governo nem ao Presidente da República sustituirem-se à justiça, mas sei que o Presidente acompanha o Governo na preocupação de criar os mecanismos de diálogo, de negociação, de arbitragem que permitam a todos aqueles que foram lesados verem os seus direitos tão satisfeitos quanto possível, no quadro de um banco que faliu, mas que antes de ter falido enganou milhares e milhares daqueles que com todo o suor da sua vida tinham conseguido amealhar algumas poupanças", declarou António Costa.

As palavras do primeiro-ministro foram muito aplaudidas por um grupo de lesados do BES, que marcou presença em Champigny.

No seu discurso, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa também deixou uma palavra para os lesados do BES.

“Estaremos atentos aos que apostaram em instituições financeiras portuguesas e cujas poupanças que de repente desapareceram”, declarou Marcelo Rebelo de Sousa.

O chefe de Estado está atento aos "novos problemas" dos portugueses em França, entre os quais está o ensino da Língua Portuguesa. Marcelo saudou o compromisso manifestado, na sexta-feira, pelo seu homólogo francês, François Hollande, em ajudar o desenvolvimento do ensino do Português.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • taf
    11 jun, 2016 Vila Nova de Gaia 18:20
    O Costa DERROTADO quer é tirar esta malta da rua. Promete tudo e não faz nada. Veja-se a promessa de resolução do problema com os lesados em Portugal que tinha uma data de conclusão até maio de 2016 e ainda nada aconteceu. Por outro lado os nossos tribunais não servem para nada às pessoas. Quem se mete com estas organizações ( tribunais) fica com a vida encravada por largos anos. Quando surge a sentença, esta tem tanto mofo que já ninguém se lembra do assunto
  • bobo
    11 jun, 2016 lisboa e outra 17:29
    Onde andavam estes os do Banco de Portugal e os da CMVM?
  • maria
    11 jun, 2016 lisboa 17:02
    e eu estou preocupada com o aumento dos "salários" dos gestores da CGD e um possível despedimento de trabalhadores
  • Dias
    11 jun, 2016 Lx 16:57
    Só espero que o snr Costa e Marcelo se lembrem dos lesados da D. Branca, também que
  • Antonio Jeronimo
    11 jun, 2016 Lourinha 16:17
    Mesmo que os juros fossem a 10%, não é as pessoas que investem o dinheiro em produtos dos Bancos que devem verificar aquilo que seja sobre os mesmos, pois não estão a jogar no casino nem no Euromilhões.Para isso como deve saber existem entidadades reguladoras, supervisoras, auditores internos e externos, administradores, gestores e tantas outras entidades.Capitalismo não significa roubarem o dinheiro.O que nos falta a nós portugueses e a solariedade e não estarmos sempre a viver com a desgraca alheia.Ja agora os juros eram entre 4 e 5% e não seja invejoso que parece mal.Tente falar apenas do que sabe se é que sabe de alguma coisa.
  • COUTO MACHADO
    11 jun, 2016 PORTO 15:03
    ANTES DE MAIS, FIQUEI MUITO ADMIRADO QUE O SENHOR COSTA E O SENHOR MARCELO, TIVESSEM FICADO MUITO PREOCUPADOS COM A SITUAÇÃO DOS LESADOS. BASTA OLHAR PARA A CARA DELES: O SENHOR COSTA SEMPRE A RIR E O SENHOR MARCELO TAMBÉM. UMA IMAGEM VALE POR MIL PALAVRAS...NÃO COSTUMO REFERIR OS COMENTÁRIOS DAS OUTRAS PESSOAS, MAS DEVO CONCORDAR INTEIRAMENTE COM O COMENTÁRIO DO SENHOR ANDRÉ, QUE ESPELHA A REALIDADE. TUDO O RESTO É PARA ESQUECER. AGORA APROVEITAREM UM MOMENTO DE FESTA PARA PROTESTAR, É DEMAIS. SÃO A TÍPICA CARPIDEIRA À PORTUGUESA.
  • Joaquim Silva
    11 jun, 2016 Localidade 14:39
    Absolutamente de acordo André.....
  • Moreira
    11 jun, 2016 sposende 12:54
    E com os que os lesaram ? Com esses é que estão... Muito preocupados. "Eles lá sabem porquê"
  • André
    11 jun, 2016 Lisboa 12:19
    Eu também ficava preocupado... só que quando o meu gestor me apresentou propostas para receber 7% de juros líquidos, quando do depósito a prazo que tinha passou a render abaixo de 1%, informei-me sobre que maravilha de negócio seria aquele... isto já em 2010. Mantive o depósito a prazo. Enquanto eu recebia 0,3%, estes "lesados" receberam entre 5% e 10% durante 4 anos. Nunca se perguntaram porque é que o capitalismo funciona? Aprenderam da pior maneira. E É MENTIRA QUE TENHAM FICADO SEM NADA. Uma das obrigações era que tivessem mais de 30000 euros na conta base. Por isso, não inventem que ficaram sem nada, pois a maioria das obrigações só atingiam a maioridade em 2018-2022. Queriam viver só dos juros nera? Acontece que descobriram o que é o capitalismo.